Províncias

Cunene arboriza centros urbanos

Elautério Silipuleni | Ondjiva

O Governo da Provincial do Cunene projecta para o próximo ano a criação de viveiros nas sedes de comunas e dos municípios para a dinamização do Programa de Arborização dos Centros Urbanos da Província.

Plano de plantação de milhares de árvores nas zonas urbanas da província do Cunene
Fotografia: Domiano Fernandes

Abel Zamba, chefe do departamento provincial do Instituto de Desenvolvimento Florestal (IDF), revelou que o projecto de arborização prevê a plantação de mais de 240 mil árvores de diversas espécies até 2017, com encargos suportados pelo orçamento para 2016 destinado à província do Cunene.
O chefe do Departamento do Instituto de Desenvolvimento Florestal do Cunene manifestou ontem a sua preocupação com o aumento do abate indiscriminado de árvores pela população, para fins comerciais. Abel Zamba disse ser urgente a tomada de medidas para pôr cobro ao abate de árvores que se regista em grande proporção nos últimos tempos.  O chefe do departamento provincial do IDF acrescentou que o Governo Provincial do Cunene tem programadas acções que visam desencorajar esta prática, de modo a proteger os polígonos e reservas florestais existentes na província.
Segundo o responsável do Instituto do Desenvolvimento Florestal, o abate desordenado de árvores cria problemas de desflorestação, surgimento de ravinas, ausência de chuva, diminuição de fertilidade dos solos e alterações climáticas. “É necessário reforçar a fiscalização para se evitar o corte desordenado de árvores, como se verifica actualmente na província do Cunene”, disse Abel Zamba.
O projecto do Governo Provincial do Cunene, para ser desenvolvido durante dois anos, prevê a distribuição de quatro plantas por família, duas florestais e igual número de fruteiras, de modo a garantir e contribuir também para a segurança alimentar e nutricional das famílias.
O local escolhido para a produção das mudas é o viveiro do Xangongo, situado 100 quilómetros a oeste de Ondjiva, onde são plantadas várias espécies de árvores ornamentais e frutícolas. A gestão do espaço é da responsabilidade das administrações municipais.
O plano prevê ainda a implantação de um novo modelo de gestão dos espaços verdes, contemplando o acompanhamento das ruas arborizadas, responsabilização pela rega e tratamento das plantas, educação e sensibilização dos munícipes para plantarem árvores nas suas residências.

Tempo

Multimédia