Províncias

Cunene precisa de instalar indústrias

Dionísio David | Ondjiva

O presidente da Câmara do Comércio e Indústria da Província do Cunene, Francisco Boleth Salu, defendeu sexta-feira em Ondjiva a instalação de pequenas e médias indústrias transformadoras, tendo em atenção o crescimento da produção agrícola na região que começa a ganhar espaço.

Barragem hidro-eléctrica do Ruacaná tem condições para garantir o fornecimento de energia aos centros industriais da província do Cunene
Fotografia: Jesus Silva

Francisco Boleth Salu disse que a instalação de indústrias vai no sentido de absorver a produção de alguns bens que estão a ser produzidos em grande quantidade, como o tomate, a cebola,a cenoura, as couves, a batata-rena, o repolho, frutas, milho, entre outros.
O dirigente associativo sublinhou que estes bens são produzidos nos últimos tempos em grande escala, mas por falta de unidades transformadoras acabam por se estragar nas áreas de produção como nos postos de venda.
Francisco Boleth deu a conhecer que o ramo da agricultura tem sido “a opção e uma aposta séria de um considerável número de empresários”, pelo que se torna urgente definir políticas de financiamento e outros incentivos, dar um tratamento adequado e merecido à produção resultante dessas iniciativas, de modo a que “os esforços de combate à fome e à pobreza sejam uma realidade”. Daí a urgência em se instalarem unidades industriais de transformação da produção.
Francisco Boleth sublinhou que apesar do desejo da população e dos empresários, a instalação de indústrias na região exige recursos financeiros, uma eficaz rede de energia eléctrica e um abastecimento de água em grande escala, de modo a manter funcional as instalações.
Para a concretização desse objectivo, o Presidente da Câmara do Comércio e Indústria do Cunene solicitou ao Governo Provincial, através da entidade competente, apoio em meios de transportes para os pequenos e médios produtores, de modo a permitir-lhes escoar os produtos sem grandes constrangimentos para as unidades transformadoras.

Tempo

Multimédia