Províncias

Defendida a prática da circuncisão no seio da comunidade dos Ambós

Adelaide Mualimusi | Ondjiva

As autoridades tradicionais de Ombala ya Naluheke, na província do Cunene, defendem a prática da circuncisão, na região dos Ambós, como passagem do ritual que marca o início da adolescência e a entrada na vida adulta. A ideia foi manifestada durante o primeiro encontro alargado de balanço anual.

As autoridades tradicionais de Ombala ya Naluheke, na província do Cunene, defendem a prática da circuncisão, na região dos Ambós, como passagem do ritual que marca o início da adolescência e a entrada na vida adulta. A ideia foi manifestada durante o primeiro encontro alargado de balanço anual.
No encontro, em que participaram o administrador de Ondago, o comandante da Polícia local, anciãos e jovens, as autoridades tradicionais defenderam igualmente a reactivação do hino Ovambadja.
A realização do encontro, que durou uma semana, com várias acções culturais de Ombadja, visou assinalar o terceiro aniversário da nomeação do soba Onaluheke, no 25 de Setembro, na localidade de Oshaihuanda.  A par destas actividades houve palestras sobre os perigos do uso excessivo de bebidas alcoólicas e sobre o VIH/Sida.
Durante a semana, as autoridades tradicionais defenderem ainda o uso de trajos típicos da região, com vista à preservação dos valores culturais, a necessidade de serviços de telefonia móvel, com a instalação de uma antena entre as localidades de Ondango, Ombala yo Mungo e Missão de Okanoutoni, para facilitar a comunicação com o resto da província.
Os participantes assumiram o compromisso de aprofundarem a colaboração com as autoridades administrativas e religiosas, para eliminar alguns mitos ainda reinantes no seio da comunidade.
O encontro, dirigido pelo soba de Onaluheke, analisou ainda odesenvolvimento de Ombala, nos aspectos culturais, na revisão dos limites das duas embalas, a expansão religiosa, o roubo de gado, o horário de estabelecimentos comerciais.
A reunião analisou igualmente a necessidade da restauração de dois museus do reinado de Ombala ya Naluheke, os resgates de valores cívicos e morais e a criação de lavras comunitárias.

Tempo

Multimédia