Províncias

Diminuem mortes por malária

Elautério Silipuleni | Ondjiva

O director da saúde no Cunene anunciou, em Ondjiva, que as mortes por malária na província diminuíram, no primeiro trimestre deste ano, cerca de 30 por cento em relação a idêntico período de 2011.

O director da saúde no Cunene anunciou, em Ondjiva, que as mortes por malária na província diminuíram, no primeiro trimestre deste ano, cerca de 30 por cento em relação a idêntico período de 2011.
Eleutério Hivilikwa, que falava a propósito do Dia Mundial de Luta contra Malária, ocorrido em 25 de Abril), disse que no
primeiro trimestre deste ano foram registados 65 óbitos na província, menos 28 do que nos primeiros tês meses de 2011, fruto de acções de sensibilização sobre a importância da prevenção.
No primeiro trimestre deste ano, a província registou 12.266 casos de malária contra os 32.376 ocorridos em 2011.
As pessoas, afirmou o director de saúde, conhecem agora melhor os sintomas da doença e tem mais acesso às unidades sanitárias.
“Felizmente, com vários trabalhos de sensibilização que têm sido desenvolvido, conseguimos conter a doença.
Vamos continuar a trabalhar para que a situação seja resolvida uma vez por toda”, realçou.
O aumento das unidades sanitárias ao nível da província, referiu, tem contribuídotambém para a melhoria da assistência e redução de casos de malária e os programas de sensibilização das comunidades, realizado por parceiros do governo no combate à doença, ajuda a erradicar a doença e a reduzir o número de mortes.
A redução dos casos de malária, salientou, passa também pela aposta das das Organizações Não-Governamentais no combate ao mosquito que transmite a doença, com campanhas de pulverização domiciliária.
“As instituições não governamental tem desenvolvido, neste processo, um papel preponderante no trabalho de sensibilização das populações, sobretudo nas zonas rirais. Sendo  parceiros do Governo, vamos continuar a contar com estas organizações para que a nossa mensagem chegue a todas as localidades da província da Lunda-Norte ”, disse.

Medidas preventivas

O director regional referiu que a direcção da saúde no Cunene, em parceria com Organizações Não-Governamentais e outras instituições, vai continuar adoptar programas que contribuem para a erradicação da doença em Angola.
As principais intervenções de controlo da malária, lembrou, assentam no diagnóstico e tratamento correcto da doença, nas medidas preventivas, sobretudo distribuição de mosquiteiros tratados com insecticida, e na luta contra o vector.

Tempo

Multimédia