Províncias

Estado da via Humbe-Cahama reclama intervenção acelerada

Camionistas que diariamente fazem uso da via Humbe-Cahama, na província do Cunene, lamentaram, domingo, o mau estado do troço, em terra batida, numa extensão de 87 quilómetros.

Camionistas que diariamente fazem uso da via Humbe-Cahama, na província do Cunene, lamentaram, domingo, o mau estado do troço, em terra batida, numa extensão de 87 quilómetros.

Numa ronda feita pela Angop ao longo do percurso, os camionistas foram unânimes em considerar preocupante a situação, apesar dos trabalhos de reabilitação e ampliação da via terem iniciado em Setembro do ano passado.
Segundo o camionista Hugo Alfredo, é difícil circular no referido troço, devido ao péssimo estado da via.
“O mau estado da via contribui para a danificação acelerada dos camiões ou outros veículos automóveis que fazem este percurso com frequência”, sustentou.
Quem partilha da mesma opinião é o camionista Julião Rodrigues, que está nesta vida há 15 anos.
 Ele advoga a necessidade de celeridade dos trabalhos por parte da construtora encarregue da reabilitação e ampliação do troço.
Para o agricultor Bernardo António, o péssimo estado da estrada está a impossibilitar o escoamento de produtos do campo para a cidade.
A administradora municipal da Cahama, Margarida Ulisavo, queixou-se do atraso da obra, que até ao momento se encontra em terra batida, apesar da empreiteira ter começado os trabalhos em Setembro de 2009.
“O troço situa-se no eixo rodoviário que liga Cunene com outras províncias do país e a vizinha República da Namíbia, e a sua conclusão será um ganho no capítulo da livre circulação de pessoas e bens”, realçou a responsável.
A Angop tentou apurar os factos junto do representante da construtora “TSE”, encarregue da obra, mas os seus representantes recusaram prestar quaisquer informações relacionadas com a reabilitação da referida via, com duração prevista para 18 meses.
A reabilitação da estrada Humbe-Cahama foi financiada pela União Europeia.
A obra está orçada em 25 milhões de euros (mais de 33 milhões de dólares norte-americanos).

Tempo

Multimédia