Províncias

Falta de Instituto de Saúde provoca a fuga de quadros

Paulino Capusso | Ondjiva

A falta de uma escola média de saúde tem provocado, na província do Cunene, a fuga de quadros para o sector da Educação, lamentou, na quinta-feira, na cidade de Ondjiva, o vice-presidente da Associação Nacional de Enfermeiros de Angola (ANEA).

A falta de uma escola média de saúde tem provocado, na província do Cunene, a fuga de quadros para o sector da Educação, lamentou, na quinta-feira, na cidade de Ondjiva, o vice-presidente da Associação Nacional de Enfermeiros de Angola (ANEA).
Bernardino do Nascimento, que manifestou a preocupação na cerimónia comemorativa dos 20 anos da criação da ANEA, disse que, devido à ausência de uma escola, o nível académico dos enfermeiros se limita à oitava classe.
“Por causa da ausência de um Instituto Médio de Saúde assiste-se à fuga de quadros para a Educação, uma vez que, movidos pela necessidade de aumentarem o nível académico, ingressam na escola do ensino médio de formação de professores e depois de concluírem o curso vão dar aulas, deixando para trás a enfermagem”, afirmou.
Boa parte dos enfermeiros da província do Cunene, referiu Bernardino do Nascimento, têm apenas formação básica e isto faz com que estejam enquadrados em baixos escalões, o que se reflecte também em baixos salários.
A humanização dos serviços de saúde, o amor ao próximo e a deontologia profissional, frisou, têm de ser parte do dia-a-dia dos profissionais da enfermagem.
Bernardino do Nascimento disse ao Jornal de Angola que a formação de técnicos superiores para a área de saúde na Escola Superior Politécnica de Ondjiva é uma mais-valia para a ANEA e para a população, porque vai melhorar significativamente os cuidados de saúde em toda a província.
O vice-presidente da Associação Nacional de Enfermeiros de Angola  pediu a todos os filiados para  confiarem nos seus dirigentes, prometendo-lhes que vão interceder, sempre que possível, junto do governo para serem melhoradas as condições dos cerca de 1.100 profissionais que há da província do Cunene, onde estão a ser construídas várias unidades sanitárias para melhorar a assistência à população.

Tempo

Multimédia