Províncias

Falta de técnicos qualificados preocupa

No domínio das novas admissões, Eleutério Hivilikwa revelou que o sector beneficiou de 158 o ano passado.

No domínio das novas admissões, Eleutério Hivilikwa revelou que o sector beneficiou de 158 o ano passado. Das 11 vagas para a carreira de técnicos superiores, foram preenchidas apenas quatro. Em relação aos técnicos de enfermagem, das 16 vagas previstas, nenhuma foi preenchida. Para o regime geral de carreiras, das cem propostas apresentadas apenas três candidatos foram aceites. Para a carreira administrativa, nas dez vagas disponibilizadas, foram enquadrados dez profissionais. Para a categoria de técnicos médios de enfermagem, das 25 vagas previstas, foram preenchidas dez, enquanto que para técnicos básicos, foram preenchidos os 73 lugares disponíveis.
Comentando em traços gerais o assunto, Eleutério Hivilikwa disse que “a realidade é triste, na medida em que das cem por cento de vagas atribuídas à instituição, só se conseguiu cobrir 69 por cento”, razão porque considerou de muito complicada a situação, já que compromete as aspirações do sector no que respeita aos objectivos e as metas preconizadas. A construção da escola técnica de saúde, disse esperançado, vai melhorar significativamente a quantidade e a qualidade dos serviços a prestar ao público.
Para o presente ano, foram disponibilizadas 581 vagas, contra 158 do ano passado, que considerou também de muito bom, a julgar pelo grau de dificuldades e de necessidades que a província tem. Neste momento, avançou, trabalha-se no apuramento da documentação, para admissões e promoções. Disse que a direcção entende, acima de tudo, dar primazia a promoções de enfermeiros com mais tempo de serviço, que por razões óbvias, não puderam transitar de categoria. Ainda no quadro do preenchimento na categoria de médicos estão disponíveis quatro lugares para cinco concorrentes.

Tempo

Multimédia