Províncias

FAO apoia produção de mel no Cunene

Domingos Calucipa | Ondjiva

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) está a apoiar um projecto, no município do Cuvelai, província do Cunene, que visa o aumento dos níveis de produção e qualidade do mel explorado pelos apicultores locais, através de um financiamento de 120 mil dólares americanos.

Apicultores da província do Cunene beneficiaram de formação para melhorar a actividade
Fotografia: Cedidas por Matteo Tonini

A iniciativa, denominada “Projecto TCP Apicultura Cuvelai”, iniciada em Junho deste ano e com duração de um ano, resume-se na realização de uma série de formações sobre extracção, processamento e engarrafamento de mel, tendo a segunda e última acção formativa deste ano sido realizada na primeira semana do corrente mês.
O coordenador do projecto, o engenheiro agrónomo Matteo Tonini, disse que o mesmo está a ser desenvolvido em parceria com o Ministério da Agricultura, através do Instituto de Desenvolvimento Florestal, o Ministério da Família e Promoção da Mulher e a Administração Municipal do Cuvelai.
Matteo Tonini referiu que durante as formações foi introduzida a tecnologia da utilização da prensa, instrumento que permite separar o mel da cera. Explicou que o referido equipamento, totalmente manual, facilita o seu manuseio nas áreas rurais. Salientou que é um processo de filtragem que permite eliminar todas as impurezas, muito prático e fácil de executar.
“O trabalho da prensa pode ser realizado por homens ou mulheres das comunidades, sendo que é uma nova tecnologia que simplifica o tratamento do mel”, disse o coordenador do projecto.
Segundo Matteo Tonini, o projecto compreende duas componentes, nomeadamente a recolha do mel e o seu processamento. Salientou que o trabalho de filtragem e engarrafamento do mel está a ser considerado no seio dos apicultores como uma actividade ligada ao sector feminino, ao passo que a construção da colmeia, posicionamento e extracção do mel reservada aos homens.
Com a chegada do projecto às comunidades da região, sublinhou, o mel passou a oferecer outra qualidade, já que vem melhor acondicionado em garrafas, o que faz valorizar mais a actividade dos apicultores.
Matteo Tonini disse que a qualidade fez com que o preço do produto se elevasse dos anteriores mil kwanzas o litro para dois mil kwanzas.

Distribuição de kits

Matteo Tonini informou que desde o início do projecto foram já distribuídos 40 kits de protecção contra abelhas para igual número de apicultores de 20 aldeias de diferentes localidades, além de terem beneficiado de formações para a boa utilização dos equipamentos.
Matteo Tonini destacou que com os equipamentos, os apicultores da região conseguiram recolher o mel sem problemas de entrar em contacto com as abelhas e podem trabalhar de forma segura e eficaz.
Além disso, disse Matteo Tonini, a utilização do fumigador e do fato de protecção reduziram muito a quantidade de fogo necessária, fazendo com que a qualidade do mel aumentasse, tendo em conta que já não se sente nenhum cheiro de fumo.
Segundo Matteo Tonini, os novos equipamentos permitem evitar grandes fogueiras realizadas para recolher o mel, que, em muitos casos, alastram  pela floresta, criando queimadas de grandes dimensões.

Tempo

Multimédia