Províncias

Género e direitos humanos foram debatidos na região

Elautério Silipuleni | Ondjiva

A principal arma para vencer a luta contra o VIH/Sida passa pela educação e informação dos homens e mulheres, em particular nas comunidades rurais, sobre a prevenção, de modo a evitar novas infecções, defendeu ontem a coordenadora do departamento de Saúde do Conselho de Igrejas Cristãs em Angola.

Na abertura da conferência regional em Ondjiva sobre "VIH/Sida, Direitos Humanos e Género", Berta Chipita frisou que existe informação suficiente para que se eduque as pessoas, no sentido da redução da prevalência da doença, e a Igreja, como parceiro do Executivo, tem dado o seu contributo.
“A sociedade tem de dar uma lição de fé, amor e solidariedade para com as pessoas que estão infectadas ou afectadas com a doença, demonstrando que tanto na tristeza quanto na alegria estamos sempre solidários”, acentuou.
A conferência regional tem como objectivo promover uma maior participação dos líderes religiosos das províncias da Huíla, Namibe e Cunene na luta de combate a esta doença nas comunidades. Berta Chipita disse que no actual contexto mundial há muitas perturbações com o surgimento de doenças que têm provocado a morte de muitas pessoas e sublinhou a necessidade de um maior engajamento dos parceiros sociais para a redução dos casos de novas infecções. Outra preocupação do Conselho de Igrejas Cristãs em Angola (CICA) tem a ver com a questão dos direitos humanos.
 “Todas as questões relativas aos direitos humanos são importantes, mas o país necessita de uma maior intervenção, para que os progressos registados nesta matéria permitam encarar o futuro com optimismo”, salientou.
Temas como "Noções básicas sobre o VIH/Sida", "O VIH/Sida e os Direitos Humanos", "Combate ao estigma e à discriminação na óptica da Igreja", "A relevância do estigma e discriminação no contexto bíblico", e "O género e feminização do VIH/Sida" são os temas em discussão.
Participam na conferência representantes do Conselho de Igrejas Cristãs em Angola das províncias da Huíla, Namibe e Cunene.

Tempo

Multimédia