Províncias

Governador incentiva a produção

Elautério Silipuleni | Santa Clara

O governador provincial do Cunene, António Didalelwa, encorajou as famílias residentes nas áreas rurais a apostarem fortemente na agricultura, com a criação de novas cooperativas, para reforço do combate à fome e pobreza no seio das sociedades.

O fomento da agricultura constitui uma das principais armas no combate à fome e erradicação da pobreza
Fotografia: Jornal de Angola

O governador provincial do Cunene, António Didalelwa, encorajou as famílias residentes nas áreas rurais a apostarem fortemente na agricultura, com a criação de novas cooperativas, para reforço do combate à fome e pobreza no seio das sociedades.
O governador, que fez este pronunciamento na cerimónia do Dia Internacional da Família, referiu que se as famílias optarem por esta actividade será possível impulsionar o fomento agro-pecuário na região e, consequentemente, diminuir a pobreza e erradicar a fome.
O governador  defendeu também a necessidade de construção de uma sociedade com famílias estáveis e harmoniosas e desenvolvimento equilibrado das comunidades.
O governador sublinhou a necessidade da promoção de fóruns e seminários sobre a estabilidade da família. António Didalelwa frisou que é necessário que se proceda à construção e reabilitação de infra-estruturas para o bem-estar da sociedade e das famílias. António Didalelwa apelou ao envolvimento de toda sociedade no combate ao vírus da sida, que causa muitos órfãos e desmembra famílias.
Em 1993, a Assembleia-Geral das Nações Unidas instituiu o 15 de Maio como Dia Internacional da Família. Desde essa data, a ONU celebra este dia chamando à atenção para as questões que influenciam o dia-a-dia de país e filhos.

Mensagem da OMA

A secretária-geral adjunta da Organização da Mulher Angolana (OMA), Alice Chivaca, defendeu, no sábado, em Santa Clara, município do Namacunde, um maior fortalecimento do papel das famílias angolanas para que elas possam contribuir, de forma activa, na moralização da sociedade.
Alice Chivaca salientou que tal fortalecimento passa pelo estreitamento das relações entre pais e filhos. Só desta forma, prosseguiu a dirigente da OMA, será possível evitar o fenómeno da delinquência juvenil e resgatar os valores cívicos e os bons costumes que a sociedade tem estado a perder, devido à desagregação familiar e à débil educação que muitos pais transmitem aos filhos. “Uma vez consolidada a família, teremos uma sociedade livre dos problemas que vivemos actualmente, decorrentes da acentuada perda de valores morais, falta de amor ao próximo, de tolerância, perdão e respeito”, frisou a responsável. As famílias devem desempenhar o seu verdadeiro papel, que passa por educar, orientar e regular comportamentos, dando à sociedade indivíduos úteis. A falta de civismo no seio da família tem provocado desrespeito pelas normas básicas das relações humanas, pelo direito positivo e costumeiro e pelos símbolos nacionais que unem todos os concidadãos, sublinhou.
 
Migração
 
O Dia Internacional das Famílias, que se comemorou sob o lema “O impacto da migração para as famílias ao redor do mundo”, tem como objectivo reflectir sobre a imigração das famílias, disse Alice Chivaca.  Referindo que são várias as razões que levam as pessoas a emigrar, afirmou que “o nosso país não está alheio a este fenómeno, porque a guerra levou muitos cidadãos a movimentarem-se de um lado para o outro à procura de segurança e melhores condições de vida”. Entretanto, em Ondjiva, realizou-se, no fim-de-semana, um colóquio sobre “O impacto da migração para as famílias ao redor do mundo”, durante o qual foram debatidas algumas questões que o fenómeno tem levantado, sobretudo nos últimos tempos.
Organizado pelo Secretariado Nacional da OMA, em parceria com a Associação de Mulheres Angolanas Juristas e a Organização Pan-africana das Mulheres, o colóquio debateu as vantagens e desvantagens da migração, um fenómeno que afecta quase todos países do mundo.O Dia Internacional da Família foi marcado por diversas actividades culturais, recreativas e também desportivas.   

Tempo

Multimédia