Províncias

Governo prepara áreas para realojar vítimas das cheias

O governo da província do Cunene iniciou, em Maio deste ano, as operações de loteamento das áreas localizadas em Onahuma I e II, arredores de Ondjiva, para o realojamento da população vítima das cheias, abrigadas nos Centros de Acolhimento da cidade capital, soube domingo a Angop.

O governo da província do Cunene iniciou, em Maio deste ano, as operações de loteamento das áreas localizadas em Onahuma I e II, arredores de Ondjiva, para o realojamento da população vítima das cheias, abrigadas nos Centros de Acolhimento da cidade capital, soube domingo a Angop.
Segundo o chefe do Instituto Nacional de Ordenamento Territorial e Desenvolvimento Urbano (INOTU), no Cunene, Francisco Sanda, estas áreas serão distribuídas ainda este ano para que a população construa em zonas seguras.
Sublinhou que todas as vítimas alojadas nos Centros de Acolhimentos vão receber terrenos nas localidades de Onahumba I e II.
Francisco Sanda disse que a zona já foi desmatada e já estão em curso obras de urbanização, nomeadamente de arruamento e loteamento, bem como a identificação de espaços para a implementação dos vários serviços administrativos.
Este programa, numa primeira fase, vai beneficiar mil e 600 famílias, cuja edificação das residências vai contar com a comparticipação do governo, com a atribuição de kits de construção.
Este é o terceiro ano consecutivo que se registam cheias no Cunene. A Comissão de Protecção Civil anunciou que 23.699 pessoas foram afectadas.

Reserva fundiária do Ekuma

A reserva fundiária de Ekuma, onde se prevê construir 1.375 casas, encontra-se na fase de loteamento de terrenos e criação dos arruamentos, redes técnicas de água, electricidade e esgotos, informou, sexta-feira, o director do Instituto Nacional de Ordenamento Territorial e Desenvolvimento Urbano (INOTU) no Cunene, Francisco Sanda.
O responsável referiu que a reserva fundiária de Ekuma vai dinamizar o programa de requalificação urbanística dos bairros da cidade de Ondjiva, uma vez que irá dispor de postos de saúde e escolas, entre outras infra-estruturas inerentes à administração do Estado.
Segundo ele, a zona faz parte das seis reservas fundiárias identificadas pelo governo provincial do Cunene para melhorar as condições de habitação da população local.
Com dois mil hectares, a reserva do Ekuma tem disponíveis 36 milhões de dólares, destinados à construção de moradias uni-familiares de alta, média e baixa renda, bem como a edificação de 21 quilómetros de estradas asfaltadas.

Tempo

Multimédia