Províncias

Habitantes de Ondjiva plantam árvores

Os habitantes da cidade de Ondjiva, capital da província do Cunene, foram incentivados a plantar árvores nos quintais das suas residências, tendo em conta a sua importância para o meio ambiente.

Administração Municipal ensaia modelo de espaços verdes com novo sistema de regra
Fotografia: Nuno Flash |

O director municipal da Repartição do Ordenamento do Território, Urbanismo e Ambiente, Yanes da Conceição Lupeke, manifestou, propósito do 31 de Janeiro, Dia Nacional do Ambiente, a sua preocupação por haver poucas árvores na urbe e por isso, a necessidade de consciencializar a população para participar em actividades relacionadas com plantação, multiplicação e preservação.
As autoridades estão preocupadas com políticas públicas que combatam a exploração ilegal de árvores.
A moringa oleífera e o eucalipto são importantes, têm funções benéficas para o meio ambiente, recuperando áreas degradadas, e para a saúde humana.
Os países em todo o mundo desenvolvem acções para a preservação do meio ambiente. Uma das acções passa pela plantação de árvores e redução dos actos que colocam em perigo a biodiversidade.
Angola comemora a 31 de Janeiro o Dia Nacional do Ambiente. Foi nesta data que terminou a primeira semana de conservação da natureza, decorrida de 26 a 31 de Janeiro, em 1976, em Luanda. A efeméride visa chamar a atenção dos sectores políticos e sociais sobre a necessidade de se criar medidas e padrões de vida sustentáveis para uma gestão equilibrada dos recursos naturais e melhoria da qualidade de vida das populações.

Arborização em Benguela


O programa de arborização da cidade de Benguela, “Acácias Rubras”, foi apresentado no sábado pelo administrador municipal, no âmbito do Dia Nacional do Ambiente, assinalado em 31 de Janeiro.
 Leopoldo Muhongo disse, no âmbito do programa, são feitas este ano pelo menos 800 mudas, o que permite a plantação de múltiplas espécies, maioritariamente acácias rubras.
A Administração Municipal, afirmou, está a ensaiar um modelo de gestão dos espaços verdes que inclui o acompanhamento de ruas arborizadas e por arborizar por determinadas pessoas, escolhidas como padrinhos, que se responsabilizam pela rega e tratamento das plantas.
Os camiões cisterna, que prejudicavam o trânsito automóvel, foram substituídos por motorizadas de três rodas equipadas com um depósito de 500 litros. A Administração entregou plantas diversas a residentes das seis zonas do município.
Leopoldo Muhongo mencionou “o débil saneamento básico, a qualidade dos solos argilosos e a acumulação de resíduos sólidos em alguns mercados informais”, como os principais problemas. “Estamos a trabalhar com as entidades responsáveis pela recolha e foram introduzidas agora empresas de fiscalização para melhorar o processo.

Tempo

Multimédia