Províncias

Hospital Católico do Chiulo melhora os serviços

Elautério Silipuleni| Ondjiva

As alterações introduzidas pela nova direcção do Hospital Católico do Chiulo, na comuna do Mucope, município de Ombadja, Cunene, são visíveis nas áreas de assistência médica e medicamentosa e no sistema de saneamento hospitalar, disse ao Jornal de Angola a directora da unidade sanitária.

Melhoria dos serviços prestados à comunidade e a formação contínua dos técnicos entre as priroridades do sector da Saúde
Fotografia: Eulautério Silipuleni| Cunene

Judite Ndilimondjo acrescentou que os serviços sofreram mudanças e está tudo mobilizado para alterar o comportamento dos trabalhadores, tendo em conta a aposta na humanização dos serviços de saúde. “As melhorias no atendimento, assistência médica e no saneamento básico devem-se ao trabalho de equipa, que privilegia sempre o diálogo, o respeito à diferença e a responsabilidade”, afirmou.
A nova direcção do Hospital do Chiulo tem na forja outros projectos para executar a curto prazo, inseridos no programa de organização da unidade sanitária, entre os quais a melhoria dos serviços prestados às comunidades e a formação contínua dos técnicos de saúde. “Queremos que, ao nível do Hospital do Chiulo, se comece já a fazer a especialização em diversas áreas e para que isso aconteça temos que ter um pessoal tecnicamente bem qualificado, para melhor atender os doentes”, disse Judite Ndilimondjo, Sublinhou que neste momento o hospital já conta com dois médicos angolanos e um de nacionalidade cubana, que reforçaram o atendimento ao público.
Destacou ainda a formação de pessoal nas áreas de laboratório e enfermagem. Apesar de o número não ser suficiente, a directora disse achar que o hospital está a dar um avanço positivo no que diz respeito ao melhoramento do atendimento aos doentes que procuram a unidade sanitária.
Judite Ndilimondjo frisou que, pela capacidade que o hospital tem, o número do pessoal é ainda ínfimo. “Estamos à espera do concurso público para ver se conseguimos um número suficiente para reforçar as diferentes áreas e oferecer um trabalho humanizado”, acrescentou.
As principais patologias registadas naquela unidade hospitalar são a malária, sarampo, doenças diarreicas agudas, meningite e tuberculose.

Novo banco de urgência

Judite Ndilimondjo disse que a unidade sanitária está neste momento a beneficiar de obras de ampliação, com a construção de um novo banco de urgência, para garantir uma melhor assistência à população. O projecto de construção do banco de urgência do Hospital da Missão Católica do Chiulo é financiado pelo governo japonês. Com as obras de ampliação, frisou Judite Ndilimondjo, o Hospital do Chiulo vai passar a contar com novos serviços e melhorar a prestação de serviços aos doentes que procuraram aquela unidade diariamente.
A directora do hospital afirmou estar convencida que a introdução de novos serviços vai contribuir para que as equipas das diferentes áreas técnicas e os funcionários melhorem a qualidade de atendimento, adoptando métodos mais humanizados para servir as populações.
Judite Ndilimondjo mostrou-se satisfeita com o andamento e a qualidade das obras, que decorrem dentro dos parâmetros técnicos acordados entre as autoridades sanitárias da província e o empreiteiro.

Especialização dos serviços

O director provincial da Saúde, Eleutério Hivilikwa, elogiou a nova direcção do Hospital da Missão Católica do Chiulo pelo excelente trabalho de organização que está a fazer no sentido de melhorar a qualidade da assistência médica e medicamentosa e de gestão da unidade sanitária.
“A prestação de serviços no Hospital do Chiulo está a melhorar”, reconheceu. Eleutério Hivilikwa acrescentou que Cunene regista melhorias em termos de infra-estruturas sanitárias, face ao número de postos, centros e hospitais já existentes e que as autoridades trabalham neste momento na especialização dos serviços de saúde.
  “Temos em toda a província unidades sanitárias de referência e o que nos resta agora é potenciar os serviços para atender os doentes nas suas zonas de residência, evitando que percorram longas distâncias à procura de assistência”, disse o director provincial da Saúde, Eleutério Hivilikwa.

Tempo

Multimédia