Províncias

Incentivada a construção de salas de aula no Cunene

Domingos Calucipa | Ondjiva

A ministra da Educação, Maria Cândida Teixeira, incentivou, no sábado, em Ondjiva, província do Cunene, as comunidades a criarem iniciativas tendentes à construção de escolas com material local, como forma de contribuírem nos esforços das autoridades nacionais que visam a redução do elevado número de crianças que estudam ao ar livre, por insuficiência de salas de aula.

Estão a ser criadas as condições para que mais crianças possam aprender a ler e a escrever
Fotografia: DR

Cândida Teixeira falava no quadro da sua visita de três dias à província do Cunene, onde fez a abertura oficial da época desportiva escolar 2019-2020 e visitou várias infra-estruturas escolares em construção e outras já concluídas e em funcionamento.
Numa altura em que se fala em cerca de noventa mil alunos da província do Cunene a estudarem debaixo de árvores, de um universo de mais de 214 mil matriculados, a ministra disse não ter gostado do que viu nos municípios da Cahama e de Ombadja, onde numerosas crianças estudam ao relento e em muitos casos sentadas sobre pedras.
“Mais escolas vão ser construídas em todo o país, mas cada uma ao seu tempo”, assegurou Cândida Teixeira, que considerou haver falta de iniciativas e interesse das comunidades. “Não consigo compreender que haja tantos alunos debaixo de árvores, quando podíamos muito bem, com materiais rudimentares, fazermos escolas de pau-a-pique”, afirmou, acrescentando que, enquanto o Governo não chega em muitas zonas com construções modernas, poder-se-ia usar meios tradicionais e albergar as crianças.

Laboratórios garantidos
A ministra Cândida Teixeira assegurou que já estão disponíveis laboratórios para distribuição em todas as escolas do país com necessidades do material.
“A questão dos laboratórios é uma preocupação nacional. Já temos laboratórios em Luanda, para serem distribuídos em todo o país e brevemente chegam ao Cunene para serem distribuídos por todas as escolas que necessitam”, disse a governante.
No Cunene, a ministra visitou a escola primária Simione Mucune e o Liceu da Cahama, no município com o mesmo nome, as salas anexas da Escola Técnica de Saúde do Chiulo e a escola primária 11 de Novembro, no município de Ombadja, bem como a Escola Técnica de Saúde, Escola do Magistério, Complexo Escolar de Oulondelo e as obras do Complexo Escolar da Caxila III, na cidade de Ondjiva.

127 escolas funcionam ao ar livre

Um total de 127 escolas do ensino primário no município de Ombadja, na província do Cunene, de um universo de 192, funciona ao ar livre, devido ao elevado número de alunos que todos os anos entram para o sistema de ensino.
Segundo a administradora de Ombadja, Albertina Teresa José, que apresentava o quadro actual do sector da Educação do município, no âmbito de uma visita da ministra Cândida Teixeira, os números revelam o quão deverá ser o esforço das autoridades no sentido de se reverter tal realidade.
A responsável municipal informou que o município conta actualmente com um total de 209 estabelecimentos escolares, onde fazem parte também 12 escolas do I ciclo e cinco do II ciclo do ensino secundário.
Albertina José apresentou também outra situação que, segundo ela, tira o sossego às autoridades do município. Trata-se do encerramento de dez escolas do ensino primário, por falta de professores, em diferentes localidades.
Disse que o município apresenta no ano lectivo corrente um défice de 200 professores, para fazer face à abertura das dez escolas com a actividade interrompida e reforçar aquelas que funcionam com um número reduzido de docentes.
No presente ano lectivo foram matriculados 30.132 alunos, nos diferentes níveis de ensino, assegurados por 1.290 professores.

Tempo

Multimédia