Províncias

Jornalistas na prevenção da luta contra a malária

Domingos Calucipa e Adelaide Mualimusi | Ondjiva

A Rede de Jornalistas de Luta Contra a Malária e Grandes Endemias no Cunene foi apresentada no fim-de-semana ao governo local e manifestou o seu apoio no combate à doença.

Paciente internada com malária que tem causado muitas mortes num hospital público
Fotografia: Casimiro José

A Rede de Jornalistas de Luta Contra a Malária e Grandes Endemias no Cunene foi apresentada no fim-de-semana ao governo local e manifestou o seu apoio no combate à doença.
Os jornalistas defendem acções de sensibilização da população e aumento da informação, medidas de prevenção e uso de práticas positivas. O colectivo é formado por profissionais dos quatro órgãos de comunicação social estatais, designadamente Rádio Nacional de Angola, Televisão Pública de Angola, Jornal de Angola e Angop, e encara com grande preocupação o elevado número de mortes provocados pela malária na província.
Os jornalistas sublinham ser cada vez mais a necessário informar a população sobre a malária, como se transmite, quais os seus sintomas e a forma como é tratada.
A rede deu início à sua actividade com a distribuição, há dias, de 300 mosquiteiros aos doentes do hospital provincial de Ondjiva, seguida de uma acção de sensibilização sobre a importância do seu uso.
As acções dos profissionais da comunicação social no Cunene vão prosseguir, sempre em parceria com o Programa Provincial de Combate à Malária e Grandes Endemias e outros parceiros sociais, com a distribuição de panfletos com informações sobre a doença e outras endemias nas comunidades e nas igrejas e escolas. O grupo propõe-se promover palestras, realizar campanhas de distribuição de mosquiteiros e produtos de desinfecção da água de consumo, criar um programa radiofónico para abordar a matéria, entre outras medidas.
O coordenador nacional da Rede de Jornalistas de Luta Contra a Malária e Grandes Endemias, Jaime Molossande, pediu aos membros para cumprirem, com seriedade, o programa de combate à doença e pediu para ser realizado um trabalho de mobilização das populações, que insistem na utilização de mosquiteiros destinados à pesca.
“Em várias zonas da província, vemos pessoas a utilizarem mosquiteiros para a prática de pesca. Isso é incorrecto. Por isso, vamos procurar convencê-las que o mosquiteiro serve para prevenir a doença.”
A Rede Nacional existe há um ano. Um dos seus grandes objectivos reside na sua própria expansão a todo o país e promover formações dos seus membros em matérias de saúde.

Tempo

Multimédia