Províncias

Mais transfusões no Cunene

Mais de 150 transfusões de sangue foram realizadas entre os meses de Janeiro e Fevereiro deste ano no Hospital Geral de Ondjiva, na província do Cunene, contra 103 em igual período anterior, informou ontem a chefe dos serviços de hemoterapia.

Centenas de tranfusões de sangue foram feitas no hospital de Ondjiva para salvar vidas
Fotografia: Nicolau Vasco

Emília de Vasconcelos disse à Angop que as transfusões foram efectuadas em pacientes internados nas áreas de pediatria, maternidade, clínica geral e no banco de urgência.
A chefe dos serviços de hemoterapia afirmou que os pacientes recuperaram o nível de hemoglobina durante as intervenções cirúrgicas, no tratamento de traumatismo, anemias severas e hemorragias prolongadas.
O Hospital Geral de Ondjiva recebe sangue de dadores da JMPLA, das igrejas Universal do Reino de Deus, Adventista do Sétimo Dia, Evangélica Cheia da Palavra de Deus, Pentecostal da Fé e Libertação, e de pessoas singulares.

Febre-amarela

Religiosas de diferentes confissões de Ondjiva participaram ontem numa sessão de esclarecimento sobre os métodos de prevenção da febre-amarela, enquadrada nas jornada Março Mulher.A sessão foi orientada pelo chefe dos serviços provinciais de cuidados primários de saúde, Adelino Cavanda, que destacou a importância da observação das medidas de prevenção a nível individual e colectivo.
O responsável disse que a gestão do saneamento básico, através da eliminação de focos de lixo e de águas paradas, além do tratamento da água, protecção contra a picada do mosquito, a eliminação do habitat deste insecto e a vacinação constituem as melhores formas de combater a proliferação da doença. Adelino Cavanda salientou que cada pessoa deve estar preparada para passar a mensagem, de modo a impedir a propagação da febre-amarela e de outras enfermidades como a chicungunha, malária e a dengue.
O chefe dos serviços provinciais de cuidados primários de saúde pediu especialmente às mulheres que protejam os filhos e partilhem informações sobre a doença nas comunidades.

Tempo

Multimédia