Províncias

Mau estado da estrada atrasa desenvolvimento

Elautério Silipuleni | Ondjiva

A ligação entre Cuvelai e Ondjiva ainda é feita em condições precárias e perigosas. Por isso, os produtos de primeira necessidade não chegam às populações. Mas o cenário vai mudar em breve, uma vez que as obras de reabilitação, paralisadas há mais de dois anos, já foram retomadas.

A ligação entre Cuvelai e Ondjiva ainda é feita em condições precárias e perigosas. Por isso, os produtos de primeira necessidade não chegam às populações. Mas o cenário vai mudar em breve, uma vez que as obras de reabilitação, paralisadas há mais de dois anos, já foram retomadas.
A circulação de pessoas e bens entre Cuvelai e a capital da província é ainda feita à custa de muito sacrifício porque só carros todo-o-terreno conseguem passar por aqueles caminhos. O mau estado da estrada, com 179 quilómetros, tem reflexos negativos na vida da população, ao estagnar o desenvolvimento social e económico.
A estrada é o mais importante canal de abastecimento à população do município do Cuvelai. O administrador comunal da Mupa, município de Cuvelai, está preocupado com o estado actual da via. Gilberto Soares salientou os esforços do Executivo e do Governo Provincial para que, dentro de pouco tempo, a via esteja reabilitada.
Gilberto Soares disse que é urgente concluir as obras porque a estrada representa a principal fonte de abastecimento de bens alimentares à Mupa.
A conclusão das obras vai proporcionar uma vida melhor aos habitantes da comuna da Mupa e do município de Cuvelai, pois é da estrada que depende o desenvolvimento da região. O taxista Francisco António Hidipo, que diariamente tem a missão de transportar pessoas e mercadorias na estrada entre Ondjiva e Cuvelai, considerou que o percurso tem atrapalhado a sua actividade. Para percorrer os 179 quilómetros, disse o motorista, são necessárias de oito a dez horas.
Alberto Constantino, motorista, louvou o Executivo pelo esforço que está a desenvolver para a recuperação da via, desde o início deste ano. Mas ainda há muito trabalho a fazer, principalmente no troço entre Eval e Cuvelai.
O comerciante Fernando Ndilinanye referiu que é preciso acelerar a recuperação da estrada, uma vez que o seu estado caótico tem contribuído para o encarecimento dos produtos.
Nas quatro comunas do município do Cuvelai, a comercialização é dificultada pela falta de transportes, devido ao mau estado da via, e os comerciantes têm feito grandes esforços para fazer chegar os produtos às populações.

Trabalhos na via

O encarregado de obras na estrada disse que os trabalhos, iniciados em Janeiro desde ano, consistem na desmatação, com vista a ampliar a via, a limpeza e terraplanagem.
 Rui Santos informou que, neste momento, os trabalhos decorrem nas zonas mais críticas, principalmente aquelas que quando chove, provocam grandes transtornos aos automobilistas.
Rui Santos salientou que os trabalhos decorrem a bom ritmo, mas as chuvas podem afectar o ritmo normal dos trabalhos: “estamos a enfrentar uma dura realidade, tendo em conta as chuva que caiem na região. Eesta situação pode mesmo criar grandes transtornos na operação que levamos a cabo”.

Tempo

Multimédia