Províncias

Milhares de alfabetizados na província

Elautério Silipuleni| Ondjiva

As salas de alfabetização a nível da província do Cunene continuam a registar cada vez mais pessoas adultas com vontade de aprender a ler e a escrever, desde a implementação do Plano de Aceleração Escolar (PAAE), reconheceu sexta-feira o director provincial em exercício da Educação e Tecnologia.

Salas de alfabetização continuam a registar adesão massiva de pessoas adultas ávidas de aprender a ler e a escrever
Fotografia: Eduardo Pedro

Ambrósio Hisinduavali referiu que, desde 2007, por exemplo, um total de 149.651 pessoas, entre homens e mulheres, foram alfabetizadas, através dos programas “Sim eu Posso” e “Gostar de Ler e Escrever”, com grande destaque para a adesão em massa de mulheres.
O PAAE tem desempenhado um papel relevante na erradicação do analfabetismo na região e no aumento sistemático do nível académico da população adulta, nos últimos dez anos.
Os números alcançados reflectem o compromisso do Governo Provincial na erradicação do analfabetismo. Para alcançar este desiderato, as autoridades contam com 417 alfabetizadores de escolas públicas, privadas e igrejas.
Ambrósio Hisinduavali destacou igualmente que o programa de alfabetização dos cidadãos constitui um factor essencial e promotor do desenvolvimento da sociedade.
“É um processo que facilita os cidadãos a prevenir e resolver conflitos, assim como contribui para o desenvolvimento social e económico do próprio individuo”, salienta o responsável provincial.
As pessoas alfabetizadas têm mais possibilidades de inserção na sociedade e estão melhor capacitadas para enfrentar os desafios de desenvolvimento de um país.

Resultados no Lubango

Um total de 14 mil cidadãos adultos estão a aprender a ler e a escrever, no município do Lubango, na província da Huíla, nos três módulos do Programa de Alfabetização e Aceleração Escolar (PAAE), revelou sexta-feira o chefe da secção municipal do sector, Ventura Augusto.
O responsável disse que os mais de 14 mil indivíduos estão a ser alfabetizados, através do programa “Sim eu Posso”.
Para materializar o referido programa, o chefe de secção de alfabetização avançou que a instituição conta com 120 alfabetizadores que trabalham voluntariamente, 119 outros subsidiados e 64 professores efectivos.
O responsável apontou a carência de material didáctico como um dos grandes obstáculos para a implementação do programa de alfabetização. A nível da província da Huíla, desde 2015, foram já alfabetizados 100.938 cidadãos, revelou Ventura Augusto.
A nível da província do Cuanza Sul, o director provincial da Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia, Francisco Júnior, reafirmou, na cidade do Sumbe, que a alfabetização continua a ser o principal desafio educativo, para o desenvolvimento da sociedade.
O director fez essas declarações durante a sua intervenção numa palestra sobre “A estratégia para melhorar a eficiência e eficácia do programa de alfabetização”.

Formação do homem

Francisco Júnior salientou que o referido processo de aprender a ler e a escrever constitui uma etapa inicial no processo formativo dos adultos. Avançou ainda que a alfabetização permite aos adultos, que antes não sabiam ler nem escrever, adquirirem conhecimentos técnicos e científicos e terem uma cultura geral, essenciais para ajudarem no processo de desenvolvimento do país.
Em função disso, também considerou a alfabetização como o principal desafio educativo enfrentado pelos países em vias de desenvolvimento, visto que o analfabetismo é um sério entrave no processo de desenvolvimento das sociedades.
Frisou que o índice de cidadãos alfabetizados num país indica o seu nível de progresso, uma vez que quanto mais pessoas instruídas, maior é o desenvolvimento da região. O director salientou que o programa de combate ao analfabetismo no país conta com o apoio de vários parceiros sociais como igrejas, partidos políticos e associações cívicas, entre outras organizações.

Tempo

Multimédia