Províncias

Milhares de hectares na campanha agrícola

Elautério Silipuleni| Ondjiva

Mais de 200 mil hectares forma disponibilizados pela Direcção Provincial da Agricultura do Cunene às famílias camponesas, para desenvolver a actividade agrícola na presente campanha, aberta sexta-feira em Kafuka. 

Camponeses receberam instrumentos de trabalho para aumentarem as suas áreas de produção e reforçarem a dieta alimentar
Fotografia: Venâncio Amaral| Ondjiva

Além das terras lavradas mecanicamente, a Direcção Provincial da Agricultura tem igualmente disponíveis mais 700 charruas de tracção animal, 338 toneladas de adubo orgânico e fertilizantes, centenas de catanas e enxadas para serem distribuídos aos camponeses na presente campanha agrícola.
O responsável provincial do Instituto de Desenvolvimento Agrário no Cunene, Porfírio Shamaneulo, disse na abertura da campanha, que a Empresa Nacional de Mecanização Agrícola está a trabalhar na preparação de outros 1.200 hectares, através do Programa de Desenvolvimento Rural, para serem distribuídos às associações e cooperativas dos municípios da província.
Informou que para presente campanha agrícola, a Direcção Provincial da Agricultura perspectiva produzir 56 mil toneladas de cereais diversos em toda a província, com vista a melhorar a renda e dieta alimentar das famílias, como prevê o programa do Executivo de Combate à pobreza. Dos milhares de hectares disponível, cinco foram cedidos para o cultivo de mandioca. 
No acto de abertura da campanha agrícola, os camponeses da localidade da Kafuka receberam, de forma simbólica, sementes de massango, massabala, milho, feijão e fertilizantes, em representação dos cerca de 81 mil agricultores da província que vão estar envolvidos no processo.
O governador provincial do Cunene, António Didalelwa, solicitou maior envolvimento dos camponeses para que a presente campanha agrícola seja um êxito e que atinja os níveis de produção esperados, com vista a transformar a região num celeiro de referência no país e disse que autoridades estão disponível e aberto para prestar todo a apoio aos agricultores.
O governador, António Didalelwa, disse que para alegria dos camponeses a natureza tem dado sinais encorajadores, que faz prevê um ano agrícola promissor, daí a necessidade de se aproveitar a graça, tomando medidas adequadas que possam garantir sucesso ao trabalho do campo.
“O trabalho de campo exige muito sacrifício: acordar cedo, permanecer hora por debaixo do sol, domar os animais e outras situações. Se quisermos garantir alimentos para as nossas famílias, temos de trabalhar para produzir os alimentos que necessitamos”, frisou. O governador António Didalelwa explicou aos camponeses que se cada um produzir massango, massabala, milho, feijão abóboras, cereais e hortícolas a economia da província sairá reforçado e que as verbas destinados a compra de alimentos deviam ser encaminhadas para programas e projectos de desenvolvimento no domínio da água, energia, educação, saúde, estradas, habitação e outros.

Apoio aos camponeses


O Governo do Cunene vai continuar a prestar apoio aos camponeses e os agricultores, reforçando as infra-estruturas, ajudando a preparar terras, fornecendo sementes e alfaias agrícolas. 
António Didalelwa sublinhou que as políticas de incentivo à agricultura familiar devem tomar conta das múltiplas necessidades dos pequenos produtores, com vista a aumentarem as suas áreas de produção, melhorar a dieta alimentar das comunidades e acabar com os altos índices de má nutrição de que enfermam algumas pessoas.
“A promoção da agricultura familiar deve ser o papel central prestado à mulher rural”, disse, acrescentando que toda a população deve apoiar a participação activa da mulher e garantir a igualdade de direitos, no acesso aos incentivos agrícola.

Tempo

Multimédia