Províncias

Namacunde anuncia arranque de projectos sociais

Dionísio David | Namacunde

O início da construção de 240 casas sociais, 40 das quais destinadas à juventude foi anunciado na quarta-feira pelo chefe de Gabinete de Estudos e Planeamento da Administração municipal de Namacunde, província do Cunene, Laurentino Hishikusitia.

Chefe do Gabinete do Planeamento
Fotografia: Dionísio David |

O início da construção de 240 casas sociais, 40 das quais destinadas à juventude foi anunciado na quarta-feira pelo chefe de Gabinete de Estudos e Planeamento da Administração municipal de Namacunde, província do Cunene, Laurentino Hishikusitia.
No âmbito dos programas integrados de combate à fome e à pobreza, estão a ser criadas condições mínimas para a melhoria da assistência médica e medicamentosa, ensino, criação de empregos e oferta alimentar, através da produção agrícola a nível de todo o município de Namacunde.
Em função dos projectos em curso, a administração tem vindo a desenvolver esforços para garantir o cumprimento da execução de todas as acções constantes do programa de combate à pobreza, sobretudo nas comunidades rurais. No entanto, e apesar da reiterada vontade das autoridades em cumprirem os referidos programas, Laurentino Hishikusitia mostrou-se preocupado com a falta de técnicos qualificados e recursos financeiros que, sublinhou, são o principal obstáculo para a execução de alguns dos projectos em curso.
Para este ano, estão previstas 23 acções, com realce para o reforço institucional nos sectores da educação, agricultura, energia e águas, saneamento básico, transportes, vias de comunicação e obras públicas.
O pagamento do pessoal contratado para a recolha do lixo e limpeza da vila, tal como a aquisição de peças de reposição para as viaturas de recolha de resíduos sólidos na sede municipal e nas comunas vão merecer maior atenção. A administração vai ainda dedicar-se mais à formação dos funcionários sobre gestão pública de projectos, e zelar pela manutenção dos equipamentos informáticos.

Mais escolas e casas

No último trimestre de 2011, foram construídas e apetrechadas três escolas de quatro salas cada, e erguidas residências para professores e enfermeiros nas aldeias de Ofenda, Omutaku e Okuandubu, na periferia da sede municipal de Namacunde.O município registou avanços significativos nos domínios da agricultura, com a instalação de uma câmara de frio no mercado municipal, e a aquisição de dois tractores e seus componentes, para ajudar as diversas cooperativas de camponeses.
A administração municipal apostou forte na melhoria do abastecimento de água potável às populações, com a construção de dois chafarizes na sede do município, e na iluminação pública.
A reabilitação e melhoramento do jardim local, a construção do mercado e a contínua aquisição de material para o saneamento básico foram outras acções desenvolvidas com êxito, pela administração, que mandou ainda erguer e apetrechar postos de saúde em três povoações.

Melhoria nas vias

Melhorar as vias de comunicação para as diferentes localidades do município, com destaque para as que ligam a comuna do Chiede e a povoação de Oihole, onde fica o memorial do Rei Mandume, é outra das prioridades.Laurentino Kishikusitia assegurou que este ano se prevê o desenvolvimento de projectos “ambiciosos”, como o “Água para todos “, o estabelecimento da merenda escolar, fazer chegar a energia eléctrica e estimular o comércio rural.
Para a sua concretização, a administração vai contar com um orçamento na ordem dos 214 milhões de kwanzas, valor remanescente do exercício financeiro de 2011, que vem juntar-se aos 400 milhões propostos pela administração local. O chefe do Planeamento de Namacunde notou, ainda assim, que este orçamento é exíguo para a envergadura dos projectos.
Das acções propostas destacam-se a construção de novos aldeamentos rurais, o sub-programa de promoção do saneamento básico, fortalecimento da agricultura familiar e empreendedorismo.
Estão também previstas, neste orçamento, acções que têm a ver com a segurança alimentar, pecuária, extensão e desenvolvimento rural, com a criação de novas cooperativas e microempresas, através do acesso ao crédito agrícola e promoção dos serviços públicos básicos e acesso ao ensino, segundo o chefe do gabinete do planeamento.
Laurentino Hishikusitia explicou que se prevê, ainda, a construção de 40 casas evolutivas com material local, criação de pequenas unidades de fabrico de blocos melhorados, edificação de três sistemas de abastecimento de água, dez latrinas comunitárias, distribuição de kits para o saneamento básico, e a expansão das cozinhas comunitárias.

Tempo

Multimédia