Províncias

Namacunde concretiza programa municipal

Dionísio David |Ondjiva

O administrador de Namacunde, Lúcio Ndinoiti, qualificou de positivas as acções realizadas pela sua administração no biénio 2009/2010, previstas no Programa de Intervenção Municipal, que considerou um "instrumento determinante na melhoria das condições de vida das populações".

Município caminha para o progresso
Fotografia: DR

O administrador de Namacunde, Lúcio Ndinoiti, qualificou de positivas as acções realizadas pela sua administração no biénio 2009/2010, previstas no Programa de Intervenção Municipal, que considerou um "instrumento determinante na melhoria das condições de vida das populações".
Com este programa, iniciado em 2008 neste município fronteiriço da Namíbia, foram alocados 375 milhões de kwanzas destinados aos sectores da educação, saúde, assistência social e energia e águas onde são visíveis melhorias substanciais, segundo o administrador.
Além desses sectores, o programa permitiu a execução de outros projectos de grande impacto junto das populações nas áreas dos transportes e comunicações, saneamento básico, reforço da capacidade institucional, juventude e desportos, com a ocupação dos tempos livres.
Lúcio Ndinoiti clarificou que o programa de intervenção municipal permitiu conferir mais dignidade à administração, com a sua ampliação, apetrechamento, modernização, e construção de uma confortável sala de reuniões.
As repartições e secções municipais, e os serviços associados da administração também conheceram significativas melhorias.

Mais crianças com escola

No Namacunde os sectores da educação e saúde são os que mais avanços conheceram. Foram construídas e ampliadas oito escolas do ensino primário e secundário na sede municipal, comuna do Chiede e nas localidades de Santa Clara, Unonge, Omulunga-Washikongo, Owangue, Omutaku e Omulova.
Na sua maioria, estas escolas passaram de duas para quatro ou seis salas.
No domínio da saúde foram adquiridas três ambulâncias para o hospital municipal, Centro de saúde de Unonge e o Posto de saúde de Omulunga que vieram facilitar a evacuação de pacientes para os hospitais mais próximos da Namíbia.
No centro de saúde da povoação de Oihole, junto ao memorial do Rei Mandume ya Ndemufayo, foi melhorado o fornecimento de energia, enquanto na comuna do Chiede, concretamente na povoação de Omulunga, foi construído um novo e apetrechado.
O programa abarcou ainda a importação e consequente abastecimento em medicamentos de todos os postos existentes, para garantir o seu normal funcionamento.

Problemas de energia

A sede do Namacunde recebe energia da Namíbia, mas uma avaria registada há três meses no sistema levou à aquisição de uma gerador de 500 kva para distribuição domiciliar a iluminação públicas, segundo o administrador que informou ainda que a comuna do Chiede é abastecida com um gerador de 100 kva.
Lúcio Ndinoiti revelou que já foi feita a terraplanagem do troço Chiede/Namacunde numa extensão de 24 quilómetros, enquanto na sede, foram feitos quatro quilómetros de arruamentos, também no âmbito do programa de intervenção municipal.
O administrador assegurou que “face aos grandes desafios que se colocam ao município, a formação dos quadros tem sido uma constante nos últimos dois anos, com realce para as áreas de informática, administração e gestão”.
Este esforço, disse o administrador, visa acima de tudo a melhoria de prestação de serviços de qualidade às populações.
Apesar do município de Namacunde não possuir qualquer actividade industrial geradora de muitos desperdícios, a administração presta particular atenção à recolha de lixo, tendo adquirido duas viaturas e quatro contentores para esse fim.
No posto fronteiriço de Santa Clara foi construído um mercado, um jardim infantil e um campo de futebol.

Tempo

Multimédia