Províncias

Namacunde na rota do desenvolvimento

Dionísio David | Namacunde

O administrador municipal de Namacunde, na província do Cunene, Apolo Ndinoulenga, considerou, ontem, positivo o quadro socioeconómico do município, tendo em conta a implementação de projectos nos ramos da Educação, Saúde e Assistência Social, cuja acção teve reflexos positivos na vida das populações.

Entre as obras em curso no município de Namacunde destaque para a reabilitação e construção de estabelecimentos de ensino
Fotografia: João Gomes

Apolo Ndinoulenga  disse ao Jornal de Angola que Namacunde hoje é um município diferente, com espaços de desenvolvimento sustentável. “Basta ver que de Ondjiva à sede do município, numa extensão de 30 quilómetros, antes da reabilitação do troço que liga as duas cidades, a viagem fazia-se em mais de uma hora, enquanto hoje se faz apenas em 15 minutos, o que tornou tudo mais fácil”, referiu o administrador.
As melhorias conseguidas surgem como resposta às acções empreendidas viradas à reabilitação e construção de infra-estruturas, sobretudo vias de comunicação, que o governo da província e a administração municipal têm realizado, disse Apolo Ndinoulenga que, sobre as infra-estruturas, referiu que o município tem conhecido melhorias significativas que  conferem uma nova imagem às vilas de Namacunde e Santa Clara e à sede da comuna de Chiedi, onde já se nota o surgimento de imponentes edifícios, como as instalações dos serviços aduaneiros, o porto seco, da Polícia Económica, da Polícia Fiscal, da Polícia da Guarda Fronteira e de bancos comerciais.
No domínio da Educação, o município tem 79 escolas, das quais 68 do ensino primário e dez do primeiro e II ciclos e uma de formação de professores e existe ensino médio na comuna de Chiedi e na localidade de Oihole, onde está implantado o memorial do rei Mandume Ya-Ndemufayo. 
As instituições de ensino são asseguradas por 768 professores, número ainda considerado insuficiente, pois são necessários mais 286 professores. Apolo Ndinoulenga sublinhou que no presente ano lectivo foram matriculados 27.773 alunos, sendo 22.026 no ensino primário, 4.175 no ensino secundário e 1.536 na formação de professores.
O insuficiente número de professores fez com que 2.717 alunos estejam ainda fora do sistema de ensino. Apolo Ndinoulenga informou estar em curso a construção de uma escola do II ciclo na vila de Santa Clara, e de uma escola para o primeiro nível, na localidade de Okwandomuti.

Saúde em expansão

No domínio da Saúde, Apolo Ndinoulenga indicou que foi possível instalar, em quase todas as povoações e aldeias do município, postos e centros de saúde, num total de 18 unidades sanitárias, asseguradas por 106 enfermeiros e sete médicos, dos quais seis expatriados.
Apolo Ndinoulenga considerou insuficiente o número de unidades sanitárias, pelo que, garantiu, as autoridades  continuam a trabalhar no sentido de estender a rede sanitária para as zonas mais recônditas, sobretudo nas áreas limítrofes com a província do Cuando Cubango.
Em relação ao abastecimento de água às populações, Apolo Ndinoulenga  disse que foram dados passos significativos. “Se antes a água que abastecia a sede de Namacunde e a cidade de Ondjiva vinha da vizinha Namíbia, hoje vem da estação de tratamento e distribuição de Xangongo, no município de Ombadja, através do rio Cunene, um projecto de singular importância para a vida das comunidades”.  
Apolo Ndinoulenga salientou que no município o projecto abrange mais de 60 mil consumidores, uma vez que a conduta não abastece apenas a urbe mas também outras localidades do município. 
Apolo Ndinoulenga esclareceu que há um grande número de pessoas no meio rural que beneficia de água dos furos, num total de 20, espalhados um pouco por todo o município de Namacunde.
Quando ao fornecimento de energia eléctrica, Apolo Ndinoulenga informou que na sede do município e na povoação de Santa Clara e áreas periféricas é feito a partir de Ondjiva, e na sede da comuna de Chiedi e localidades mais distantes faz-se através de geradores. Apolo Ndinoulenga disse que, nos últimos tempos, o processo de fornecimento por meio de geradores tem-se revelado bastante oneroso, devido aos preços actuais do combustível.

Outros projectos em curso

Apolo Ndinoulenga destacou a construção de um centro de saúde no marco 16, junto à fronteira com a Namíbia, na localidade de Ounonge, que uma vez concluído vai proporcionar melhores serviços às populações dos dois lados da fronteira.
Estão também em curso as obras de construção do mercado municipal, com mais espaços e divisões para abranger agências bancárias, casa de câmbios, peixarias e talhos, bem como uma sala de eventos, cujas obras se encontram em fase final.
Em finais de 2015 foi instalado no município o sistema de emissão do Bilhete de Identidade, que desanuviou uma carência há muito vivida pelos munícipes, que, anteriormente, para conseguirem o documento, tinham de recorrer às lojas de Ondjiva.

Tempo

Multimédia