Províncias

Ombadja tem novas infra-estruturas sociais

Elautério Silipuleni| Ondjiva

A vila do Xangongo e a comuna do Humbe, no município de Ombadja, província do Cunene, têm, desde terça-feira, um conjunto de infra-estruturas destinadas à melhoria e prestação de serviços à população e das condições sociais dos habitantes daquela localidade.

A vila do Xangongo e a comuna do Humbe, no município de Ombadja, província do Cunene, têm, desde terça-feira, um conjunto de infra-estruturas destinadas à melhoria e prestação de serviços à população e das condições sociais dos habitantes daquela localidade.
As infra-estruturas sociais, construídas de raiz e reabilitadas, no âmbito dos projectos de intervenção municipal e de combate à fome e à pobreza, foram inauguradas pelo governador provincial do Cunene, António Didalelwa.
Entre as acções, destacam-se quatro empreendimentos sociais e económicos, nomeadamente uma escola de 12 salas, na comuna do Humbe, e um mercado municipal, na sede do município.
António Didalelwa inaugurou ainda um parque infantil, na vila do Xangongo, e uma nave do hospital municipal de Ombadja, no âmbito das obras de reabilitação e ampliação de que a unidade sanitária beneficiou. Esta ampliação do hospital permitiu a inclusão de novos serviços, como de raio X e laboratório, além de aumentar a capacidade de internamento para 25 camas.
O governador referiu que estes esforços visam diminuir os problemas sociais das populações, através da construção e reabilitação de infra-estruturas, para que mais crianças sejam enquadradas no sistema de ensino, e sejam proporcionadas melhores condições de trabalho aos funcionários da saúde e de acomodação dos doentes.
O responsável garantiu que a construção de hospitais, centro e postos de saúde, escolas e outras acções, como a formação e reforço dos recursos humanos, vão continuar.

Troço Xangongo/Onassalama

O acto de consignação para a reabilitação da estrada Xan­gongo/­Ombala-ya-Mungo/ Onassalama também ocorreu na terça-feira, num acto presidido pelo governador António Didalelwa. As obras, que estão avaliadas em 380,3 milhões de kwanzas, vão durar cerca de 12 meses, período que inclui a mobilização de meios.
A estrada terá uma largura de oito metros e duas faixas de rodagem. O director provincial das Obras Públicas, Gonçalves Namweya, afirmou que a reabilitação deste troço se enquadra no Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza e vai melhorar o escoamento de produtos agrícolas. "Com a conclusão das obras, as pessoas já vão poder circular sem grandes constragimento. Vamos ter paciência, pois no final todos sairemos a ganhar", disse. As obras, que estão a cargo de uma empresa chinesa, contemplam igualmente acções de acomodação do tráfego, terraplanagem, drenagem superficial e profunda, e sinalização vertical.
A supervisão técnica para fiscalização e controlo da qualidade dos trabalhos estão assegurados, garantiu o responsável.

Tempo

Multimédia