Províncias

Ondjiva privada de água há mais de duas semanas

Domingos Calucipa | Ondjiva

A cidade de Ondjiva, capital da província do Cunene, está privada de água potável há cerca de duas semanas, devido a uma ruptura na tubagem da Estação de Tratamento de Água de Xangongo, situada a 96 quilómetros da urbe.

Fotografia: DR

Por este motivo, muita gente está a consumir água retirada de poços, cacimbas e lagoas. Esta situação tem sido recorrente e até agora as entidades competentes não encontram solução. No centro da cidade e na periferia a procura de água é incessante.Em todos os cantos vêem-se pessoas com recipientes na mão, desde as primeiras horas do dia. A alternativa é tentar encontrar algum poço, cacimba ou lagoa, para onde também é conduzido o gado para beber. Este cenário verifica-se apenas em alguns municípios da província, particularmente em Curoca.

Nas principais artérias da cidade e em alguns bairros da periferia, alguns habitantes estão a recorrer a cacimbas com água turva, outros socorrem-se de vizinhos ou amigos que ainda possuem reservas em tanques plásticos e subterrâneos.
Na casa de Maria Manuel, no bairro Okapale, a água deixou de sair das torneiras no dia 28 deste mês. Os reservatórios, baldes e bidões já estão vazios, pelo que a família não teve outra alternativa senão recorrer ao poço de casa de onde só conseguiu retirar cerca de vinte litros.
No bairro de Oshomucuio, por exemplo, os habitantes estão a recorrer a uma pequena lagoa, de onde acarretam água para todos os fins, incluindo para beber, a qual algumas pessoas desinfectam com lixívia para evitarem contrair doenças intestinais.
Constantino Jamba, residente em Oshomucuio, disse ao Jornal de Angola que nos últimos dias recorre a uma lagoa situada a cinco quilómetros da sua localidade , para onde se deslocam com a sua mota de três rodas.
Esta falha está a comprometer a actividade de muitas instituições, principalmente hospitais e escolas.

Versão da Empresa de Águas
O responsável da Empresa de Águas e Saneamento do Cunene, Evangelisto Kamati, disse que se trata de rupturas dentro da Estação de Tratamento de Água de Xangongo, junto à captação do rio Cunene e no percurso Xangongo/Ondjiva.
Evangelisto Kamati informou que o problema está a ser causado, “sobretudo, pelos actos de vandalização praticados pelas populações residentes no perímetro, que furtam determinados equipamentos para retirarem água para o consumo e para o gado”.
Sem adiantar prazos, o responsável assegurou que “o problema está a ser resolvido pelos técnicos da empresa”, cujo trabalho começou com a descarga de água da tubagem.

Tempo

Multimédia