Províncias

Ondjiva e Cuvelai com boa ligação

Domingos Calucipa | Ondjiva

A circulação de pessoas e mercadorias entre a cidade de Ondjiva e o município do Cuvelai, principal zona de produção agrícola no norte da província do Cunene, melhorou consideravelmente, desde finais do ano passado, com o arranque das obras de reabilitação do segundo e último troço de 80 quilómetros, na Estrada Nacional 120, que liga as duas localidades.

Reabilitação dos principais troços rodoviários vai facilitar as trocas comerciais e o escoamento dos produtos agrícolas
Fotografia: JAimagens

Orçada em 6.988 milhões de kwanzas, a reabilitação da via teve início em finais de Setembro de 2017 e é realizada pela empresa LEVON Construções, com um prazo de execução de doze meses.
Com uma extensão de 160 quilómetros, a estrada que liga Ondjiva à sede do Cuvelai vai ser asfaltada, na sua totalidade, pela primeira vez. Os primeiros 80 quilómetros, Omala/Cuvelai, foram concluídos em 2014 e os restantes, Ondjiva/Omala, estão a ser intervencionados.
Segundo o encarregado de obras da empreiteira, Paulo Castro, os trabalhos de reabilitação do troço Ondjiva/O-mala estão na ordem dos 35 por cento, numa altura em que se efectua a terraplanagem dos últimos 50 quilómetros e a construção das passagens das águas pluviais.
Assegurou que nos próximos dias vai seguir-se a colocação da sub-base, da base e posteriormente a aplicação do asfalto, cujos trabalhos vão conhecer a sua conclusão antes de Outubro deste ano. Paulo Castro disse que no troço foram construídas perto de 65 passagens hidráulicas, dadas as particularidades da zona, bastante plana.
Adiantou que, quando concluída, a via vai ter sete metros de largura para as duas faixas de rodagem e um metro e meio de berma para cada lado. A empreitada emprega neste momento perto de 180 trabalhadores.
A recuperação da via está já a trazer benefícios à população, uma vez que aumentou a frequência de transportes públicos para aquela localidade e reduziu o tempo de viagem de seis para três horas, fazendo com que produtos como o massango, a massambala, a mandioca e o mel cheguem com maior facilidade aos mercados da cidade de Ondjiva.
Até ao ano passado circular naquele troço era desafiante, onde somente viaturas todo-terreno conseguiam transpor os grandes obstáculos causados pelas chuvas. A Estrada Nacional 120 liga a cidade de Ondjiva à cidade do Huambo, passando pelo Cuvelai e por alguns municípios do leste da província da Huíla.
O objectivo do Governo é recuperar esta importante via, ligando a fronteira da Santa Clara ao centro do país, sem ter que passar pelo Lubango, a capital da província da Huíla, como é  feito até agora.

Outras obras
Enquanto na via Ondjiva/Cuvelai respira-se de alívio, o mesmo não se pode dizer nos outros três importantes eixos que ligam diferentes localidades da província, cujas obras conheceram interrupção, quando levavam um curso que fazia  crer a sua conclusão para breve e uma melhoria na circulação de pessoas e bens.Trata-se da via de 92 quilómetros, na Estrada Nacional 295, que liga Xangongo à localidade de Calueque, esta última descrita como o principal centro de produção de hortícolas, e não só, da província, bem como dos eixos Ondjiva/Cuamato, de 68 quilómetros, na Estrada Nacional 372, e Cahama/Otchidjau, também de 68 quilómetros, na estrada número 368.
As três obras tiveram início em Outubro de 2014 e grande parte paralisaram em finais de 2015 ou princípios de 2016, uma interrupção justificada pelo director provincial das Obras Públicas do Cunene com as actuais restrições financeiras.
Sebastião Pacato disse   que as três empreitadas aguardam pelo novo cronograma de execução, numa altura em que a obra Cahama/Otchidjau, or-çada em 5.780 milhões de kwanzas, a cargo da empresa LEVON, foi executada em 95 por cento, a do troço Xangongo/Calueque (6.900 milhões), pela CEOP, está apenas na ordem dos 22 por cento.
Já a obra do eixo Ondjiva/Cuamato, orçada em 5.780 milhões de Kwanzas, a cargo da empresa  MCA, está executada em 24 por cento.

Tempo

Multimédia