Províncias

População da Kalonga precisa de enfermeiros

Elautério Silipuleni | Kalonga

A falta de enfermeiros na comuna de Kalonga, província do Cunene, obriga os populares daquela circunscrição a percorrer longas distâncias à procura dos primeiros socorros, disse ao Jornal de Angola o responsável local da saúde.

A falta de enfermeiros na comuna de Kalonga, província do Cunene, obriga os populares daquela circunscrição a percorrer longas distâncias à procura dos primeiros socorros, disse ao Jornal de Angola o responsável local da saúde.
João Ndemulungamena revelou que a comuna conta apenas com seis enfermeiros, considerados insuficientes, atendendo ao elevado número de pacientes que procuram cuidados médicos.
O responsável sublinhou que o sector da saúde na comuna necessita de, pelo menos, mais cinco enfermeiros, no sentido de reforçar a assistência médica à população.
“O número de unidades sanitárias na região está a crescer, devido à política que o governo está a implementar na construção e reabilitação de instituições de saúde, dai a necessidade de mais quadros para a comuna”, disse João Ndemulungamena. A comuna de Kalonga, de acordo com João Ndemulungamena, possui cinco postos de saúde e brevemente terá mais um centro.
O responsável referiu que algumas localidades carecem de assistência médica urgente, por estarem muito afastadas das unidades hospitalares. A comuna é abastecida de fármacos regularmente.
As doenças mais frequentes são a malária, diarreias agudas, conjuntivite e tuberculose, segundo João Ndemulungamena.
A comuna de Kalonga tem 3.745 quilómetros quadrados e uma população estimada em 19.886 habitantes, na sua maioria camponeses, que se dedicam ao cultivo de milho, feijão, mandioca e outros produtos. Dedicam-se também à caça, apicultura, criação de gado bovino, caprino e suíno de pequeno, médio e grande porte, bem como à criação de aves.

Tempo

Multimédia