Províncias

Potencial turístico aguarda investimentos

Quinito Kanhameni| Ondjiva

O Turismo na província do Cunene pode desempenhar um papel de equilíbrio na arrecadação de receitas, tendo em conta os esforços de diversificação da economia nacional, afirmou o director provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo.

Vista parcial da cidade de Ondjiva que tal como outras regiões do Cunene tem espaços turísticos à espera de investidores
Fotografia: Domiano Fernandes

Em entrevista ao Jornal de Angola, Gabriel Hikimote referiu que a província tem um conjunto de locais turísticos, que, uma vez restaurados, podem contribuir para o aumento das receitas.
Boa parte dos locais turísticos precisam de investimento para a sua reabilitação, assim como para a formação do pessoal, especialmente guias turísticos e gestores. São também necessários incentivos aos empresários do ramo.
Segundo o director da Hotelaria e Turismo, Gabriel Kikimote, um dos pontos de visita obrigatória para quem quer conhecer melhor a história da região é o local onde repousam os restos mortais do rei Mandume ya Mufayo.
Além do memorial, existe um complexo turístico no município de Namacunde. O espaço é um “gigante adormecido”, pelo facto de não dispor de uma empresa encarregue da gestão das infra-estruturas recentemente reabilitadas.
Há muito se fala do lançamento de um concurso público para encontrar uma entidade idónea, que garanta uma gestão eficiente, a par da recuperação e retorno do dinheiro investido. O director da Hotelaria e Turismo destacou também as cataratas do Ruacaná, no município do Curoca, e o Forte de Roçadas, no município de Ombadja.
Gabriel Hikimote salientou que grande parte destes locais turísticos clamam ainda por investimentos, no domínio das infra-estruturas, para atrair mais turistas. Outra preocupação prende-se com as vias de acesso que não oferecem boas condições de circulação. O director provincial convida homens de negócios nacionais e estrangeiros a investir no turismo da região.

Comércio e rede hoteleira

No domínio do Comércio, Gabriel Hikimote  disse que a escassez de divisas nos bancos, principalmente o dólar americano, tem criado constrangimentos aos operadores económicos, fundamentalmente na aquisição de produtos importados.
Devido à actual situação económica da província, o Governo tem procurado implementar novas estratégias de apoio aos operadores económicos, com o intuito de melhorar o sistema do abastecimento, com bens de primeira necessidade.
Gabriel Hikimote defende a implementação urgente de um acordo monetário transparente entre bancos angolanos e namibianos, com vista a facilitar as transacções comerciais entre os dois países.
O responsável pela Hotelaria e Turismo na província do Cunene considerou as actuais trocas comerciais prejudiciais para os operadores angolanos, pelo facto de não poderem adquirir divisas a partir dos bancos comerciais, sendo por isso obrigados a recorrem ao mercado negro.
A rede comercial da província conta com 555 estabelecimentos, entre grossistas, retalhistas, prestação de serviço e similares.

Vias de acesso

O mau estado das vias rodoviárias para o escoamento de produtos para os mercados é outro problema, já que a maior parte dos estabelecimentos estão localizados ao longo da estrada nacional 105.
Os municípios do Cuvelai e Curoca são os que menos estabelecimentos possuem, o que preocupa as autoridades locais, segundo o director provincial do Cunene do Comércio, Hotelaria e Turismo.
A rede hoteleira regista um crescimento significativo, apesar das dificuldades de ordem financeira.  A província dio Cunene conta com 618 quartos para alojamento e 829 camas, distribuídas em hotéis, hospedarias, pensões, bem como restaurantes e similares.

Tempo

Multimédia