Províncias

Reitor da Universidade Mandume avalia ensino superior

Elautério Silipuleni e Adelaide Mualimusi | Ondjiva

O reitor da Universidade Mandume ya Ndemofayo, Viriato Gonçalves, cumpriu uma visita de trabalho quarta-feira à cidade de Ondjiva, província do Cunene, onde avaliou as condições de funcionamento da Escola Superior Politécnica criada para leccionar durante este ano académico.

Formação de quadros superiores está na perspectiva do governo do Cunene
Fotografia: Rogério Tuti

O reitor da Universidade Mandume ya Ndemofayo, Viriato Gonçalves, cumpriu uma visita de trabalho quarta-feira à cidade de Ondjiva, província do Cunene, onde avaliou as condições de funcionamento da Escola Superior Politécnica criada para leccionar durante este ano académico.
A visita do reitor à província enquadra-se numa ronda que está a efectuar às escolas superiores politécnicas, as suas infra-estruturas, equipamentos e residências para os professores na região.
Viriato Gonçalves esclareceu que está a fazer um levantamento dos docentes existentes, equipamentos e outras condições, para a elaboração do plano de desenvolvimento institucional da universidade para a província do Cunene.
O reitor da Universidade Mandume Ya Ndemofayo informou que pretende trocar com o governo local ideias sobre a expansão do ensino superior na província, que se consubstancia na construção de novas infra-estruturas para a abertura de mais faculdades e outras instituições superiores.
O reitor e a sua delegação tiveram um encontro com os membros do conselho provincial de auscultação e concertação social onde receberam propostas sobre o aumento de  cursos na Escola Superior Politécnica de Ondjiva e na criação de um campo universitário na província.   “Nós apresentámos ao governo local os principais constrangimentos apontados pelos mestres de gestão no ensino superior em Angola e, a partir deles, elaborámos um inquérito para confrontar os pontos fortes e fracos do ensino superior na província e o plano de desenvolvimento institucional”, disse Viriato Gonçalves.
O académico  explicou que são abertos mais cursos, de acordo com o plano de desenvolvimento económico e social do país, e particularmente da província do Cunene, porque o facto exige um conjunto de pressupostos. 
Em relação aos quadros, o reitor informou  ter  conhecimento que o corpo docente que é apenas constituído pelos professores cubanos. Referiu que  já existem recomendações para recrutamento e retenção de quadros nacionais  para leccionarem na escola.
O governador provincial do Cunene, António Didalelua, disse que já foi projectado no orçamento deste ano  trabalhos preliminares para funcionamento da cidade universitária de Ondjiva.
 António Didalelua, afirmou que com este plano a província vai poder ajudar a melhorar o programa de desenvolvimento institucional da universidade Mandume Ya Ndemofayo no Cunene. 

Tempo

Multimédia