Províncias

Rigor na inspecção escolar

O director municipal da Educação de Ombadja, província do Cunene, defendeu na vila de Xangongo uma actividade de inspecção escolar dinâmica, para melhorar o ensino.

Estudantes lamentam falta de livraria
Fotografia: Dombele Bernardo

Francisco Ndala, que falava no acto de encerramento de um seminário de capacitação de directores e funcionários escolares da região, exortou os inspectores a redobrarem esforços no acompanhamento do sistema de ensino.
O responsável admitiu haver falhas administrativas e pedagógicas em certas instituições de ensino, principalmente no sistema de informação e gestão estatística. O atraso na circulação de informação entre os directores escolares e a repartição municipal de Ombadja, prosseguiu, tem dificultado o trabalho administrativo e técnico. “Portanto, este curso de capacitação de técnicos administrativos visa acabar com os problemas de informação entre as escolas e o sector da Educação”, sublinhou.
Francisco Ndala reconheceu o envolvimento do governo provincial na busca de soluções para acabar com os entraves ao desenvolvimento do ensino na região.

Faltam livrarias

Estudantes da cidade de Ondjiva, província do Cunene, manifestaram a sua preocupação pela falta de livrarias, o que tem dificultado a aquisição de material didáctico e obras literárias. A situação obriga os alunos a comprarem material didáctico nas províncias da Huíla, Benguela e Luanda.
De acordo com a estudante Alexandrina Manico, a inexistência de livrarias na província do Cunene constitui um grande entrave na aquisição de material didáctico e os livros e instrumentos escolares que aparecem no mercado informal são comercializados a preços muito elevados.
“Para nós, estudantes e para os encarregados de educação, a aquisição de livros está difícil. Quando necessitamos, recorremos à cidade do Lubango ou Luanda, mas devido à distância o material fica caro”, sublinhou.
A aluna Belmira Quaresma confirmou, por sua vez, que os livros escolares que aparecem no mercado paralelo são vendidos a preços especulativos.

Tempo

Multimédia