Províncias

Ruas da cidade de Ondjiva passam a ser reabilitadas

QUINITO KANHAMENI | Ondjiva

A empreitada de beneficiação e recuperação das ruas de Ondjiva, no Cunene, destruídas pelas chuvas dos últimos três anos, vai ser iniciada a qualquer momento, no quadro do programa do Gabinete Técnico de Avaliação das Infra-estruturas da cidade de Ondjiva e da Bacia Hidrográfica do Kuvelai.

A imagem documenta o estado em que se encontram algumas ruas de Ondjiva
Fotografia: Nicolau Vasco

A empreitada de beneficiação e recuperação das ruas de Ondjiva, no Cunene, destruídas pelas chuvas dos últimos três anos, vai ser iniciada a qualquer momento, no quadro do programa do Gabinete Técnico de Avaliação das Infra-estruturas da cidade de Ondjiva e da Bacia Hidrográfica do Kuvelai.
A consignação da primeira fase do projecto foi assinada na quinta-feira, na cidade de Ondjiva, entre o Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA) e a empresa chinesa CRBC.
As obras, a serem fiscalizadas pela empresa alemã AFRICOM compreendem a reabilitação e reforço do pavimento, colocação de tubagens, sinalização vertical e horizontal, iluminação pública e rede de abastecimento de água. Prevê-se igualmente a construção de um sistema de drenagem das águas residuais e pluviais, da rede de electricidade e de telefones. Os trabalhos vão abranger, numa primeira fase, as ruas 11 de Novembro, Rei Mandume, Angélica Tavares e Simione Mukune, e vão durar seis meses, devendo, mais tarde, estenderem-se para as restantes vias.
De acordo com o coordenador do Gabinete Técnico de Avaliação das Infra-estruturas e Regulação da Bacia Hidrográfica do Kuvelai, Carlos Alberto, além das ruas, existe outro projecto de construção de uma estrada circular em Ondjiva, que vai interligar o bairro Naipalala à zona do aeroporto, numa extensão de 15 quilómetros, para evitar que as viaturas pesadas, que tiram mercadorias da fronteira da Santa Clara, cruzem o centro da cidade.
Carlos Aberto disse que está igualmente em estudo a reabilitação da estrada Ondjiva-Kuvelai, numa extensão de 167 quilómetros, e a regulação da bacia hidrográfica do rio com o mesmo nome.
“A regulação do rio Kuvelai vai levar mais tempo, visto que há necessidade da construção de um canal aberto para escoamento das águas. Há que estudar soluções para a contratação de um consultor idóneo, de forma a tirar-se proveito dos recursos ali existentes para o turismo, a efectuarem-se estudos ambientais, entre outras questões”, disse Carlos Alberto.

Tempo

Multimédia