Províncias

Saúde lança estratégias para travar epidemia

Dionísio David | Ondjiva

O director provincial da Saúde do Cunene, Eleutério Hivilikua, garantiu em Ondjiva que as autoridades vão continuar a envidar esforços para que as medidas contra a epidemia da cólera, que assola dois municípios da província, possam resultar na diminuição de casos da doença.

O quadro epidemiológico durante o primeiro trimestre do ano foi dominado pelo registo de muitos casos de doença diarreicas agudas
Fotografia: Jornal de Angola

Neste momento, no âmbito destas estratégias, o Ministério da Saúde enviou para aquela parcela do país dois camiões carregados de medicamentos diversos.
Nos municípios de Ombadja e Cahama foram diagnosticados, desde Agosto, vários casos de cólera, que tiveram como epicentro a localidade de Chipelongo, no município da Cahama, e já causaram 26 óbitos.
Em relação ao actual quadro sanitário da província, a cobertura é satisfatória, em função da construção das novas unidades clínicas em toda a extensão do Cunene. A província do Cunene dispõe de sete hospitais, a par de 40 centros de saúde, 107 postos, num total de 156 unidades.
O Hospital Geral de Ondjiva é o que dispõe de maior capacidade de internamento, com 250 camas, seguindo-se o da Missão Católica do Chuilo, com 200. O hospital comunal de Ondjiva, que se encontra na sua segunda fase de obras, possui 70 camas. A província conta com 69 médicos de diferentes especialidades, sendo apenas dez nacionais, 16 enfermeiros licenciados e outros graduados em Farmácia, psicólogos clínicos e analistas, que são auxiliados por 112 técnicos médios e outros 1.031 com formação técnica de base em enfermagem, laboratório e farmácia. Os seis municípios da província possuem cada, no mínimo, três médicos cubanos, com excepção do Cuvelai, que está à espera de um reforço. O quadro epidemiológico, durante o primeiro trimestre do ano, foi dominado pelo registo de muitos casos de doenças diarreicas agudas, com 8.307 notificações, que resultaram em 48 óbitos. As doenças respiratórias agudas, que originaram 73 óbitos, e a febre tifóide vêm a seguir. Na lista aparecerem ainda o sarampo, que em todos os municípios afectou 173 pessoas, mas sem mortes. No concernente à malária, registou-se uma baixa considerável de casos. Por exemplo, em 2011, só no primeiro semestre tinham sido notificados 60 mil casos, para no mesmo período de 2012, descer aos 28 mil. Este ano, até Junho, diagnosticou-se 15 mil pacientes.
Malnutrição preocupa o sector
Os casos de malnutrição, com 957 diagnósticos, o que representa um aumento considerável em crianças da região, nos últimos tempos, estão a preocupar a direcção provincial da Saúde e seus parceiros.
Face a esta situação, foram realizadas muitas acções de sensibilização junto das comunidades rurais e suburbanas, desde a criação, em todos os municípios, de unidades especializadas em malnutrição e de serviços de tratamentos ambulatórios. Nesta matéria, o município do Cuanhama, que já conta com 25
unidades, destaca-se, tal como Cahama (cinco), Curoca (sete), Cuvelai (13), Namacunde (14) e Ombadja (15), num total de 79 postos para o efeito. Esses serviços são assegurados por 139 técnicos.
O responsável deu a conhecer que os casos de malnutrição têm afectado em grande escala os municípios de Cuanhama e Ombadja.

Tempo

Multimédia