Províncias

Sector do Comércio e Hotelaria arrecada receitas para o Estado

Dionísio David | Ondjiva

A Direcção Provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo, no Cunene, arrecadou, durante o ano transacto, 2,32 milhões de kwanzas para os cofres do Estado.

Director provincial da Hotelaria e Turismo
Fotografia: Venâncio Amaral | Ondjiva

A Direcção Provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo, no Cunene, arrecadou, durante o ano transacto, 2,32 milhões de kwanzas para os cofres do Estado.
O director provincial do Comércio e Hotelaria, Gabriel Hikimote, disse ontem, ao Jornal de Angola, que as receitas obtidas são provenientes das cobranças dos impostos nas unidades hoteleiras, das multas, da inspecção das actividades comerciais e da emissão de alvarás.
Gabriel Hikimote adiantou que, no decorrer de 2010, o sector do Comércio, Hotelaria e Turismo teve melhorias substanciais, nos domínios de organização e fiscalização dos estabelecimentos comerciais e das actividades realizadas.
O director provincial do Comércio e Hotelaria referiu que, apesar das dificuldades de ordem técnica e material, associadas à falta de transporte para a deslocação dos quadros aos municípios e comunas, em missões de inspecção, algo de positivo foi feito, como resultado do desempenho dos funcionários.
Gabriel Hikimote lembrou que a actividade da instituição, enquanto órgão do governo local, se tem cingido à coordenação das políticas comerciais, através dos incentivos aos agentes que exercem este tipo de actividade, à regulação, controlo e fiscalização do funcionamento dos estabelecimentos comerciais, pensões e hotéis.Disse que, apesar dos esforços empreendidos para a melhoria do comércio, particularmente dos preços, são ainda notórias, em alguns estabelecimentos do sector privado, algumas falhas, como a subida vertiginosa de preços, entre Dezembro e Janeiro, provocada pela euforia que sempre caracterizou a quadra festiva.
“Grande parte dos comerciantes aproveitam-se das festas para fazerem subir os preços”, disse Gabriel Hikimote. A Direcção Provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo, acrescentou, possui infra-estruturas próprias, que clamam por reabilitação.Gabriel Hikimote informou que, no âmbito da estratégia do governo da província, o comércio rural já não é da responsabilidade da Direcção do Comércio, Hotelaria e Turismo.

Encontrar soluções

“O comércio rural é agora uma componente dos programas municipais integrados de desenvolvimento e combate à fome e à pobreza”, disse Gabriel Hikimote.O programa municipal integrado, acrescentou, tem como objectivo coordenar as acções de escoamento e transporte de produtos do campo para a cidade, estabelecer mecanismos de fiscalização de preços e coordenar com os camponeses e produtores as formas de comercializar os produtos.
Gabriel Hikimote adiantou que o programa municipal integrado ainda enfrenta uma série de dificuldades, como a falta de transporte, mau estado das vias de acesso, moldes de conservação dos produtos e as formas de os   comercializar.
Gabriel Hikimote referiu que os sectores da Hotelaria e Turismo têm conhecido um crescimento considerável do ponto de vista de infra-estruturas, mas esta dinâmica não tem sido acompanhada pela formação de pessoal.
“Em grande parte das unidades existentes na província, 90 por cento do pessoal que ali trabalha não tem qualificação profissional, resultando daí uma má prestação de serviço”, disse Gabriel Hikimote.
Existem na província do Cunene mais de 20 unidades hoteleiras e similares, perfazendo um total de 580 quartos e 766 camas.
 Estão ainda em construção seis unidades hoteleiras, sendo duas na cidade de Ondjiva, uma na sede municipal de Namacunde, duas no posto fronteiriço de Santa Clara e uma hospedaria na povoação de Calueque, junto da fronteira com a República da Namíbia. Está também em construção um centro turístico, junto ao memorial do Rei Mandume Ya Ndemufayo, na localidade do Oihole, também no município de Namacunde.
O director provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo lamentou o facto de se estar a prestar pouca atenção aos poucos centros turísticos existentes na região, tendo afirmado que, para este ramo, se tem registado a ausência de investimentos nos últimos tempos.
Gabriel Hikimote convida os empresários nacionais e estrangeiros a investirem na província do Cunene, nos ramos da Hotelaria e Turismo.

Tempo

Multimédia