Províncias

Técnicos formados em Ondjiva no mercado de trabalho

Elautério Silipuleni | Ondjiva

Os primeiros licenciados em Enfermagem, Análises Clínicas e Laboratório da Escola Superior Politécnica de Ondjiva, da Universidade Mandume ya Ndemufayo, estão à disposição do mercado de trabalho.

Dezenas de técnicos de Enfermagem e Análises Clínicas formados pela Escola Superior Politécnica de Ondjiva à disposição do mercado de trabalho
Fotografia: jaimagens.com

Entre os novos licenciados, 51 formaram-se em Enfermagem e 23 em Análises Clínicas e Laboratório. O vice-reitor da Universidade Mandume ya Ndemufayo, José Luís Alexandre, que presidiu à cerimónia de entrega dos diplomas, disse que a instituição aposta na qualidade de formação de novos quadros.
José Alexandre salientou que “a licenciatura destes estudantes é resultado do nosso forte compromisso com o Programa Nacional de Formação de Quadros, aprovado pelo Executivo face à necessidade de quadros nacionais altamente qualificados que o país precisa, para vencer os complexos desafios decorrentes do seu processo de reconstrução e desenvolvimento interno e inserção e competição internacional”.
O vice-reitor pediu aos novos técnicos que não vejam a licenciatura como um ponto de chegada, mas sim como um ponto de partida para novos e mais complexos desafios que vão enfrentar para conseguirem a realização pessoal, profissional e social. Os recém-formados estão prontos para os desafios actuais da sociedade.
Exortou os finalistas a colocarem os conhecimentos adquiridos ao serviço das comunidades e a ajudarem as pessoas a compreender os fenómenos sociais.
José Alexandre chamou ainda à atenção dos licenciados para manterem sempre uma postura digna nos seus postos de trabalho, bairros e na família, uma vez que esta conduta vai representar a qualidade da formação que receberam.

Um avanço na província

O governador do Cunene, António Didalelwa, considerou a entrega de diplomas aos primeiros finalistas da Escola Superior Politécnica de Ondjiva um grande avanço para a província, que ainda luta para se levantar dos escombros e da pesada herança da guerra.
Disse que terminar um curso superior é uma honra para os estudantes, suas famílias e para a sociedade, “pois cada estudante bem formado representa um ganho para toda a sociedade e para a humanidade”.
António Didalelwa frisou que o Governo da província se orgulha dos êxitos alcançados pela Escola Superior politécnica de Ondjiva ao longo dos seus cinco anos de existência e espera que no futuro a instituição se afirme cada vez mais nos domínios de ensino, investigação e extensão universitária.
A Escola Superior Politécnica de Ondjiva deve ser um factor de desenvolvimento e promotora da Ciência.Ainda este ano, a Escola Superior Politécnico Ondjiva  vai outorgar diplomas a outros estudantes que se encontram na fase de defesa de trabalho de fim de curso, nas especialidades de Biologia e Engenharia Agropecuária. A Escola Superior Politécnico de Ondjiva existe desde 2009 e lecciona os cursos de Enfermagem, Análises Clínicas e Laboratório, Biologia, Engenharia Agropecuária, Gestão, Informática e Hidráulica.

Tempo

Multimédia