Províncias

Tratamento da tuberculose regista muitas desistências

Elautério Silipuleni| Ondjiva

O chefe de departamento da saúde pública da Direcção Provincial do sector afirmou, na cidade de Ondjiva, estar preocupado por muitos pessoas com tuberculose abandonarem o tratamento nos hospitais, o que aumenta o risco de propagação da doença.

Um ângulo da cidade de Ondjiva onde os casos de tuberculose tendem a aumentar
Fotografia: Jaimagem

Belarmino Satiohamba, que falava a propósito do Dia Mundial da Tuberculose, disse que no Cunene se registaram este ano 266 casos de abandono do tratamento.
A maior preocupação, sublinhou, é a maioria daqueles doentes viver em zonas susceptíveis de rápida disseminação da doença, cujo tratamento demora entre seis a oito meses ininterruptos. Apenas este ano, referiu Belarmino Satiohamba, há o registo de 1.892 casos de tuberculose na província, que podem aumentar nos próximos tempos por haver o risco de alguns abandonarem o tratamento logo na fase inicial e por serem influenciados por familiares que os incitam a optar por tratamentos tradicionais, que muitas vezes causam a morte.
A direcção Saúde no Cunene, salientou, continua empenhada em dotar todas unidades sanitárias de equipamentos essenciais para a  diminuição dos casos de tuberculose na província, sem que os doentes sejam obrigados a percorrer as distâncias que percorrem hoje para serem tratadas.

Tempo

Multimédia