Províncias

Via de acesso ao Curoca à espera de reabilitação

Elautério Silipuleni | Ondjiva

O estado de degradação da via de acesso ao município do Curoca, na província do Cunene, bem como a falta de água para o consumo humano e gado, estão a condicionar a execução de vários projectos económicos e sociais.

Péssimo estado da principal via de acesso ao município do Curoca cria muitos constrangimentos
Fotografia: Edições Novembro

O trajecto de 123 quilómetros entre a Cahama e o Curoca é feito em mais de seis horas, porque a estrada está em mau estado. Esta situação, além de desencorajar os potenciais investidores, cria dificuldades sociais e económicas, impedindo o transporte de materiais e equipamentos para obras de construção ou reabilitação de infra-estruturas de impacto social.
O administrador do município do Curoca, Francisco Ngoloimwe, que falava na 3.ª reunião ordinária do governo do Cunene, realizada em Oncócua, teme que os projectos planificados para este ano não sejam executados dentro dos prazos, dado o mau estado de conservação da única via que liga a sede do município a outros pontos da província do Cunene.
Francisco Ngoloimwe pede aos organismos centrais do Estado e da província para fazerem obras na estrada que liga Otchinjau a Oncócua, sede do município do Curoca, que se debate com muitos problemas sociais.
Outra situação que preocupa a administração do município é a falta de água para as populações e gado. Neste momento, o abastecimento está a ser feito para áreas com acesso através de cisternas dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros (SPCB), enquanto as de difícil acesso utilizam furos artesianos.
O administrador Francisco Ngoloimwe disse que o município debate-se ainda com a falta de transportes, agências bancárias, quadros qualificados e dificuldades alimentares.
O governador provincial do Cunene, Vigílio Tyova, admitiu que o funcionamento deficiente dos serviços sociais em Oncócua, sobretudo na Educação e assistência sanitária, tem forçado parte da população a emigrar para a Namíbia.
“Por ser um município transfronteiriço e com deficientes serviços para atender as populações, grande parte dos munícipes emigram para a Namíbia, à procura de condições sociais, sobretudo no domínio da Educação e assistência sanitária, percorrendo longas distâncias, a fim de verem solucionados os seus problemas”, sublinhou o governador provincial do Cunene.
Vigílio Tyova acrescentou que o município do Curoca, por ser o mais distante da sede da província, em termos de desenvolvimento económico e social está mais desfavorecido em relação aos demais, onde “os efeitos da seca, sobretudo a falta de alimentos e de água para as populações e para o gado, são mais gritantes”. Segundo o governador do Cunene, é preciso mais actuação do Governo no município do Curoca, visando o seu rápido desenvolvimento.
O governador do Cunene apontou como principais problemas a resolver a reabilitação da estrada Ontchijau/Oncócua e Oncócua/Chitado, bem como a materialização de programas exequíveis, que permitam o abastecimento de água às populações e gado, cuja execução permitirá um desenvolvimento sustentado e a resolução de outros problemas sociais.
O governador Vigílio Tyova considera que são também necessárias acções de desenvolvimento da região a curto prazo, mediante a promoção de programas que permitam a construção e reabilitação de infra-estruturas, sobretudo da Saúde, Educação, Energia e Águas, para apoio aos principais grupos étnico/linguísticos e das minorias.
A sede do município do Curoca dista 333 quilómetros de Ondjiva. Curoca  tem uma população estimada em 45 mil habitantes.

Tempo

Multimédia