Províncias

Vítimas das cheias recebem terreno

O governador da província do Cunene, António Didalelwa, anunciou ontem, em Ondjiva, que as vítimas das cheias realojadas nos centros de acolhimento da cidade vão receber, ainda este ano, terrenos para construção de casa própria. 

Esta é a terceira vez consecutiva que a província do Cunene é assolada por cheias
Fotografia: Elautério Silipuleni

O governador da província do Cunene, António Didalelwa, anunciou ontem, em Ondjiva, que as vítimas das cheias realojadas nos centros de acolhimento da cidade vão receber, ainda este ano, terrenos para construção de casa própria.  Numa primeira fase serão beneficiadas perto de 1.600 famílias, correspondendo a 11 mil pessoas, de acordo com o governador, que fez o anúncio no final de uma visita àquela província do vice-ministro do Interior para a área de Protecção Civil e Bombeiros, Eugénio Laborinho.
Os beneficiários, precisou, terão terrenos com uma superfície de 600 metros quadrados, nas localidades de Onahumba I e II, arredores da cidade de Ondjiva, capital do Cunene. A zona já está urbanizada e, segundo António Didalelwa garantiu, tem arruamento e loteamento.
No local já foram identificados os espaços para a instalação de infra-estruturas da administração local do Estado, uma vez que a área tem espaço suficiente para a construção de escolas e postos de saúde, indo dispor de sistema de rede de água e energia bem como de outros serviços sociais básicos.
Para o governador não há qualquer dúvida de as vítimas das cheias vão ficar bem acomodadas, uma vez que além do já referido vão dispor de espaço e casas próprias em local de maior segurança.
Sobre a construção de residências, explicou que o executivo local vai comparticipar com a atribuição de kits de construção, no quadro do Programa Nacional de Urbanismo e Habitação.
Este é o terceiro ano consecutivo que se registam cheias no Cunene.A Comissão de Protecção Civil registou, em 2009, pelo menos 20 mortos, a destruição de 106 escolas e o desalojamento de 22 mil cidadãos, devido às chuvas.O vice-ministro do Interior para área de Protecção Civil e Bombeiros fez uma visita de dois dias à província.

Tempo

Multimédia