Províncias

De Menongue ao Calai: Viagem pela Angola profunda

No mapa pode parecer pouco, mas a distância é muita! Fizemos 1200 quilómetros pelo interior do Kuando-Kubango. Fomos conhecer a Angola profunda.

 

No mapa pode parecer pouco, mas a distância é muita! Fizemos 1200 quilómetros pelo interior do Kuando-Kubango. Fomos conhecer a Angola profunda.
Saímos de Menongue em direcção aos municípios de Cuangar, Calai, e posteriormente às localidades de Savate, Katuite, Mucusso e regresso à capital da província. De Menongue até ao Mucusso a estrada é asfaltada.
A travessia do rio Cubango é feita numa jangada. Depois são 550 quilómetros até ao embarcadouro do rio Cubango que permite a travessia para Cuangar. A poeira e as picadas em mau estado fazem com que a marcha do comboio de viaturas seja lenta.
Curvas perigosas, zonas arenosas e troncos na estrada deitados abaixo por elefantes fazem da viagem um teste de resistência. O cenário é maravilhoso. A natureza transmite alegria e tranquilidade. Seguimos pelas margens do rio Cubango. Várias localidades surgem totalmente destruídas. Passámos por alguns bairros da aldeia do Caiundo.
Numa estrada de terra batida, seguimos até a margem do rio Cubango. Os ponteiros do relógio marcavam 17H00. A jangada faz a travessia do Caiundo para Savate e posteriormente para a sede do município do Cuangar, porque a ponte foi destruída durante a guerra. Sem ela não há comunicação para os municípios do Cuangar, Calai e Dirico.
Continuamos pela estrada, sem saber se havia estrada. A minha noção de estrada mudava a cada minuto. Terra e areia. Seguimos para o Cuangar. Os avisos de minas podem ser avistados na berma da estrada.
Durante a viagem o telemóvel ficou mundo e o sinal da Rádio Nacional de Angola não existe. Seguimos mais de 750 quilómetros até à sede do município do Cuangar. Areia, poeira, buracos e estradas onde só passa um carro de cada vez. 

Chegada ao Cuangar

Para saciar a fome, umas salsichas são consumidas no ziguezaguear do carro. Chegámos ao Cuangar perto das 20h00. Tínhamos concluído a primeira fase da viagem. A o município do Cuangar é constituído pelas comunas de Cuangar, Savate e Bondo. Daniel Fernando Rufino, o administrador municipal, fez as honras da casa e hospedou-nos num dos compartimentos da sua casa.

A caminho do Calai

Sem trocar de roupa, às primeiras horas do dia seguinte voltámos a passar pelo mesmo sofrimento dos buracos e da poeira. Partimos para o Calai. De Cuangar ao Calai são 395 quilómetros. Atravessámos centenas de pequenas povoações isoladas. Péssima picada e atolamentos. Novamente os ziguezagues. Na picada manadas de bois também fazem parte da paisagem. Chegámos ao bendito Calai, separado do Rundu, na Namíbia, pelo rio Cubango, sendo este a fronteira natural entre os dois países. Verificámos que pela proximidade entre as duas cidades, há muitos angolanos no Rundu.
Os 90 mil habitantes do Calai têm como fonte de abastecimento o Rundu. Daí que, duas moedas imperam no Calai, o Kwanza e o Rand Namibiano. É limitado a Norte pelo município de Nancova, a Este pelos municípios de Mavinga e Dirico, a Sul pela República da Namíbia, e a Oeste pelo município de Cuangar.

Tempo

Multimédia