Províncias

Defendida participação de todos na consolidação da Paz

João Silva e Alfredo Ferreira |Caxito

O governador da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, defendeu ontem, no Dundo, a necessidade de participação de todos os angolanos na consolidação da Paz alcançada há onze anos, no reforço da democracia e preservação da unidade nacional.

Ernesto Muangala lançou o desafio aos angolanos a transmitir o legado de heroísmo dos bravos combatentes que se bateram pela paz
Fotografia: Benjamim Cândido

Ao intervir no acto político provincial alusivo ao 4 de Abril, Ernesto Muangala sublinhou que a consolidação desses pressupostos passa pelo aumento da credibilidade do Estado, o fomento da educação patriótica dos cidadãos, a valorização da família, a promoção da igualdade do género e o respeito pelos valores morais da cidadania.
O governante referiu que, transcorridos 11 anos, o valor da Paz nunca pode ser quantificado, devendo manter-se a confiança e crença do povo angolano no seu líder, o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, que, sublinhou, de modo inteligente, firme, equilibrado e com grande visão estratégica tem conduzido o povo para a consolidação da Paz.
Segundo o governador da Lunda-Norte, é difícil a tarefa de introspecção das consequências nefastas, horríveis e toda a crueldade vivida pelos angolanos antes da Paz.
Ernesto Muangala lançou o desafio aos angolanos, com a colaboração dos regedores, sobas e sobetas, como os verdadeiros detentores do poder tradicional, a transmitir o legado de resistência e heroísmo dos “bravos jovens combatentes” que se bateram pela causa mais nobre da dignidade dos angolanos.
O governador apelou a juventude a conhecer a verdade, para evitar a deturpação da História. Acrescentou que o futuro reserva oportunidades, ambições e propósitos que exigem do povo a atitude de um soldado activo na reconstrução, modernização e crescimento de uma Angola forte e melhor para se viver.
O governador da Lunda-Norte homenageou os heróis e anónimos que de corpo e alma tornaram possível a reversão do pesadelo em prosperidade colectiva.

Corrida da Paz no Bengo

Uma corrida pedestre denominada “Corrida da Paz”, com três quilómetros de distância, marcou ontem em Caxito, província do Bengo, as comemorações do Dia da Paz, com o objectivo de fortificar e preservar a democracia que se vive em todo território nacional.
De acordo com o director provincial da Juventude e Desportos, Muginga da Silva, a corrida visou saudar o Dia da Paz, para “preservar e amadurecer” cada vez mais a Paz, para o país alcançar o desenvolvimento que todos os angolanos desejam.
Muginga da Silva referiu que o país já alcançou vários ganhos até ao momento, salientando que os angolanos querem continuar a ganhar novas infra-estruturas, como estradas, escolas, hospitais, habitações, entre outras.
“Com tranquilidade e Paz é possível realizar todas as tarefas preconizadas pelo Executivo”, disse.
A corrida contou com a participação de duzentas pessoas e partiu da direcção provincial da Juventude e Desportos, e terminou defronte ao estabelecimento do SINFO.

Tempo

Multimédia