Províncias

Defendido rigor na admissão de alunos

António Capitão | Uíge

O director-geral do Instituto Superior de Ciências da Educação (Isced) do Uíge defendeu a necessidade de adoptar-se métodos e técnicas de avaliação dos estudantes que se candidatam a uma vaga naquela instituição do ensino superior, para que sejam admitidos com base nas suas reais competências e méritos.

Novos estudantes do Isced local participaram na tradicional cerimónia de baptismo de caloiros
Fotografia: Eunice Suzana | Uíge-Edições Novembro

Domingos Kimpolo Nzau, que falava na tradicional cerimónia de baptismo de caloiros, actividade que serviu para desejar boas vindas aos mais de 1.200 jovens que ingressaram este ano no Isced local, lamentou o facto de ainda serem admitidos estudantes com notas negativas, o que não é satisfatório para o funcionamento da instituição, que aposta fortemente numa formação de qualidade.
“A partir deste ano, as admissões e as transições de anos devem ocorrer apenas com base no mérito. Este pressuposto começa já com o ingresso destes novos estudantes. Ainda enfrentamos diversos problemas, tendo em conta que cerca de 70 por cento dos novos estudantes foram admitidos com notas negativas, o que constitui uma preocupação”, disse.
Domingos Nzau referiu que a situação não deve ser vista como factor de fragilidade à qualidade de ensino na instituição e solicitou aos novos estudantes maior empenho, dedicação, sacrifício e mais capacidade de investigação, para melhor superarem as debilidades trazidas do ensino secundário. “A instituição não oferece diplomas e certificados. Atribui os graus de licenciatura e mestrado àqueles que com méritos próprios os conquistam. Transitam de ano apenas aqueles que merecerem, daí a necessidade de um maior empenho de todos”, disse. />O presidente da Associação de Estudantes do Isced do Uíge, José Cuzelama, destacou a realização de várias actividades científico-académicas na instituição, como foi o caso do I seminário internacional de investigação e práticas de ensino (WIIPE), cujos resultados vão contribuir para a melhoria da qualidade de ensino.
“Gostaríamos de agradecer o contributo do Isced do Uíge para o desenvolvimento humano, progresso científico, dinamismo económico, cultural e social na província.
Esperamos ainda que o dia de hoje seja marcado como o início de um percurso universitário, coroado de realizações pessoais, que vai culminar com a obtenção do grau de licenciatura nos próximos quatro anos”, disse.
No Isced do Uíge, os mais de 1.200 novos estudantes estão matriculados nos cursos de Ensino da Psicologia, Pedagogia, Geografia, História, Química, Física, Matemática, Biologia, Língua Portuguesa, Língua Inglesa, Francês, Ensino Primário, Pré-escolar e Ensino Especial.
Presenciaram a cerimónia de baptismo de caloiros no Isced do Uíge a vice-reitora para os Assuntos Académicos da Universidade Kimpa Vita, Maria Rosa, membros do governo provincial, vários docentes e estudantes universitários.

Tempo

Multimédia