Províncias

Destruídas mais de duas centenas de engenhos explosivos em Malanje

Venâncio Victor|Malanje

A brigada de desminagem das Forças Armadas Angolanas (FAA) destruiu, na província de Malanje, de 21 a 28 de Outubro, 249 engenhos explosivos em estado obsoleto, disse, ao Jornal de Angola, o chefe de repartição de engenharia da 2ª Divisão da Região Militar Norte.

A brigada de desminagem das Forças Armadas Angolanas (FAA) destruiu, na província de Malanje, de 21 a 28 de Outubro, 249 engenhos explosivos em estado obsoleto, disse, ao Jornal de Angola, o chefe de repartição de engenharia da 2ª Divisão da Região Militar Norte. Dos engenhos destruídos, referiu, o major Luzayamo Sebastião, constam três foguetes de BM21, 27 morteiros de 81 e 82 milímetros, 30 projécteis de RPG-7, 129 projécteis de MF-12, 14 morteiros de 60 milímetros e 17 minas. A brigada de desminagem do comando da 2ª Divisão da região militar Norte procedeu, também, à destruição de duas granadas anti-tanque, 19 de VOG -17 e respectivas espoletas, uma mina anti-tanque e munições de ZU-23, Os engenhos destruídos foram removidos de Março a Setembro nas localidades de Camatende e Quingula. Da lista de prioridades para 2010, disse o major, está a desminagem das reservas fundiárias. Governador empossa directores O governador provincial de Malanje, Boaventura da Silva Cardoso, instou, ontem, os quadros das direcções provinciais da Justiça e da Educação a pautarem pela ética e deontologia profissionais no exercício das suas funções. Boaventura Cardoso, que discursou na tomada de posse do novo director provincial da Justiça, José Muhongo e de 80 directores escolares do primeiro ciclo do ensino primário e secundário, subdirectores pedagógicos e administrativos, chamou a atenção para a necessidade do cumprimento da lei, visando corresponder às expectativas do governo. O governador disse que o empossamento de mais quadros constitui uma mais-valia para o governo local e vai garantir o crescimento do quadro orgânico dos ramos da Educação e da Justiça. Os quadros nomeados em comissão de serviço, juraram fidelidade à Pátria e a cooperar na realização dos fins superiores do Estado, respeitar as leis do país e dedicarem-se com zelo ao serviço público. Boaventura Cardoso acrescentou que alguns dos 14 municípios da província de Malanje não dispõem dos serviços de Justiça. Para inverter a situação, José Muhongo afirmou tudo fazer para estender os serviços de Justiça aos municípios onde não existem, de modo a garantir o registo dos cidadãos e das crianças principalmente.

Tempo

Multimédia