Províncias

Direcção do Comércio arrecada milhões de Kwanzas

Adelaide Mualimusi | Ondjiva

 O director provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo do Cunene, Gabriel Hikimoke, afirmou ontem que a instituição arrecadou, em 2009, 1.371.582 kwanzas para os cofres do Estado, como resultado da emissão de alvarás comerciais e hoteleiros, de multas e outras penalizações aplicadas.

Aumenta a actividade comercial no país
Fotografia: Francisco Bernardo

 O director provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo do Cunene, Gabriel Hikimoke, afirmou ontem que a instituição arrecadou, em 2009, 1.371.582 kwanzas para os cofres do Estado, como resultado da emissão de alvarás comerciais e hoteleiros, de multas e outras penalizações aplicadas.
Segundo disse, 575.429 kwanzas são provenientes da emissão de alvarás hoteleiros, 292.346 de alvarás comerciais e 503.807 de multas e outras penalidades. No ano passado, a instituição licenciou 60 operadores económicos, perfazendo um total de 430 desde a aplicação do decreto nº 29/00, de 2 de Junho.
Congratulou-se com a abertura de filiais nesta província por parte de alguns comerciantes sedeados em outras províncias e não só.
Grabriel Hikimoke, que se congratulou com a abertura de filiais nesta província por parte de alguns comerciantes sedeados noutras províncias e não só, salientou ainda que a rede hoteleira e turística do Cunene continua em franco crescimento. Com efeito, só no ano passado foram abertos 14 estabelecimentos, entre restaurantes, bares e hospedarias, e a instituição tem em sua posse 44 processos, entre os quais quatro para a construção de hotéis e pensões.
Actualmente o sector do comércio controla 160 estabelecimentos hoteleiros e similares, duas agências de viagem e turismo.
A província possui vários recursos naturais e histórico-culturais que não estão a ser explorados, assim como muitas infra-estruturas hoteleiras. Uma deles é o complexo turístico e hoteleiro de Oihole, que se encontra em obras de restauro. 
Ao longo do ano passado, informou Hikimoke, foram realizadas várias inspecções em cantinas, botequins, lojas, tabernas, farmácias, hotéis e pensões, tendo sido constatadas infracções, como a falta de mapas de preços, má arrumação, certificado de habitabilidade, falta de cartão de sanidade, ausência de afixação de preços sobre os produtos e caducidade dos alvarás hoteleiros.
O responsável do Comércio informou que, das 576 tarefas programadas para 2009, 520 foram executadas.

Tempo

Multimédia