Províncias

Educação infantil regista bons resultados

Domingos Mucuta | Lubango

O ensino pré-escolar a nível da província da Huíla inseriu este ano lectivo mais de 12 mil crianças até aos cinco anos, em  instituições públicas e privadas,disse, ontem, na cidade do Lubango, a directora provincial da Assistência e Reinserção Social.

Responsáveis do sector da Educação avaliam as políticas e estratégias do subsistema de ensino pré-escolar a nível da província
Fotografia: Arimateia Baptista | Huíla

Maria Amélia Casimiro revelou dados durante o curso preparatório da conferência provincial sobre a educação pré-escolar, com o objectivo de avaliar e redefinir a estratégia de actuação à luz da política do subsistema de ensino.
A directora provincial da Assistência e Reinserção Social disse que a educação pré-escolar abrange também dezenas de crianças do grupo minoritário da comunidade San, matriculados em mais de 28 centros infantis comunitários, onde aprendem a interagir, socializar com as educadoras de infância e a desenvolver o nível cognitivo.
Do número avançado, a directora provincial da Assistência e Reinserção Social disse que mais de cinco mil estão inseridas nas instituições públicas e as restantes nos centros infantis privados. A direcção da Assistência e Reinserção Social controla mais de mil educadores, assistentes e vigilantes de infância, que todos os anos beneficiam de cursos de refrescamentos para actualizar os conhecimentos sobre a matéria.
Maria Amélia Casimiro reconheceu que o número de beneficiários actuais ainda está abaixo das necessidades reais, uma vez que existem ainda muitas crianças que precisam de ser acompanhadas nesta fase da vida, fundamental para a educação do ser humano. Por isso, a directora provincial da Assistência e Reinserção Social defendeu a necessidade criação de mais equipamentos e condições, para albergar mais menores.
Disse que a província ganhou, neste primeiro semestre, cinco centros infantis, além da construção na centralidade da Quilemba de nove infantários com espaço e condições adequadas para ministrar o ensino pré-escolar às crianças dos zero aos cinco anos. A directora espera que as administrações municipais continuem a construir mais centros infantis comunitários, no âmbito do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à pobreza.
Maria Amélia Casimiro defendeu a mobilização dos jovens estudantes, para despertar interesse sobre o curso de educação e assistência à primeira infância. A direcção provincial continua a promover mais cursos de refrescamentos e capacitação em todos os anos, tendo anunciado que o próximo curso começa no mês de Julho, para diminuir o défice de quadros no sector.
A responsável falou ainda da conferência provincial sobre educação à primeira infância, que vai avaliar os trabalhos realizados pela direcção da Assistência e Reinserção Social e partilhar conhecimentos e experiências relacionadas com o ensino pré-escolar.

 

Tempo

Multimédia