Províncias

Empresa subcontratada suspende obras da central termoeléctrica

Lourenço Bule | Menongue

A empresa angolana GRD Service suspendeu, há  dois meses, os trabalhos de montagem da central termo-eléctrica do Kwebe, de 54 me-
gawatts, nos arredores da cidade de Menongue, província do Cuando Cubango, por  alegado incumprimen-to contratual por parte da Aenergy, a empreiteira que ganhou o concurso da obra e a subcontratou.

Autoridades do Governo Provincial estiveram no local das obras da central termoeléctrica para constatar a realidade
Fotografia: Nicolau Vasco | Edições Novembro | Menongue

Em carta dirigida ao Go-verno  Provincial,  a GRD Service esclarece que há algum tempo, o Ministério da Energia e Águas contratou a em-presa Aenergy, igualmente de direito angolano, para os trabalhos na  central termoeléctrica, por  69 milhões de dólares.
A carta diz que, depois de o Ministério de Energia e Águas ter disponibilizado os 69 milhões de dólares à empresa Aenergy, esta subcontratou a GRD Service para executar o projecto, à qual pagou apenas 50 por cento do valor acordado, cujo montante  total não foi revelado. 
A GRD Service nota no documento que “cumpriu à risca todos os passos assumidos no contrato” e apesar de ter recebido apenas 50 por cento dos valores acordados, adquiriu e fez chegar as duas turbinas a gás/gasóleo a  Menongue, onde iniciou  a construção da central termoeléctrica do Kwebe no dia 23 de Janeiro  último. “Até à presente data os trabalhos já foram executados na ordem dos 95 por cento”, diz a carta.
O vice-governador provincial para o Sector Técni-co e Infra-estruturas, Bento Xavier, depois de visitar o local das obras, disse à im-prensa que o empreendimento eléctrico devia ser inaugurado “em finais de Julho passado, ou nos primeiros dias do mês em curso, mas lamentavelmente devido a brincadeiras de mau gosto” os trabalhos encontram-se paralisados.
“O Governo do Cuando Cubango contactou o Ministério da Energia e Águas para se informar deste impasse e de seguida reunir com os responsáveis das duas em-presas envolvidas para se imputar  as devidas responsabilidades”, sublinhou, para adiantar: “Acreditamos que existe algum problema mas tão-logo tenhamos a questão esclarecida tomaremos as medidas que se impõem ”.O vice-governador  disse  não compreender  as razões que levam o Ministério da Energia e Águas, “na qualidade de dono da obra, a não ter feito ainda qualquer tipo de pronunciamento a este respeito.
 A cidade de Menongue  passa por dificuldades de  energia eléctrica devido à saturação da actual central térmica, que tem  capacidade de produção de 10 megawatts.

Obras na central

O Jornal de Angola  constatou no local das obras da central de Kwebe, que já estão   instaladas duas turbinas, dois tanques de combustível, com capacidade de 750 mil litros cada, uma área  electromecânica, salas de comando, zona de média tensão,  transformadores de potência e posto de seccionamento que está em fase de acabamento.
Foram ainda construídos o edifício da central, arruamentos e o sistema de tratamento de água e combustível, faltando apenas efectuar a montagem, instalação, conexões e ensaios das máquinas segundo a GRD Service.
 
Menongue às escuras

O vice-governador Bento Xavier visitou  a única central térmica de  Menongue, onde cinco dos sete geradores de 1.701 megawatts cada, que alimentam o empreendimento,  estão avariados desde domingo último, o que deixou a cidade  parcialmente às escuras.
Os dois geradores que estão a funcionar produzem apenas três megawatts de energia, insuficientes para cobrir às necessidades de todos os   consumidores.
Os hospitais, unidades policiais e algumas instituições públicas estão a receber prioridade no abastecimento de energia, já que a distribuição é feita alternadamente.
“Estes grupos geradores trabalham há mais de sete anos e o seu tempo de vida útil é de apenas cinco anos”, disse o vice-governador.

Tempo

Multimédia