Províncias

Ensino superior tem acesso fácil

Estanislau Costa | Lubango

O acesso dos estudantes ao ensino superior está   mais facilitado  nas províncias da Huíla e do Namibe, com a criação de novas faculdades na Universidade Mandume Ya Ndemufayo, assegurou ontem, na cidade do Lubango, o reitor da instituição.

Há necessidade de se criarem pólos de competências para suportar as vocações nos serviços na indústria e nos transportes
Fotografia: Estanislau Costa | Huíla

Orlando da Mata salientou que a facilidade tem aumentado desde a criação das faculdades de Medicina Veterinária e de Ciências, do Instituto Superior de Hotelaria e Turismo, na Huíla, e da faculdades de Engenharia e de Ciências Sociais, além do Instituto Superior de Ciências da Saúde, no Namibe.
O reitor da Universidade Mandume Ya Ndemufayo disse que, além de representar uma mais-valia por aumentar o ingresso de jovens no ensino superior, a abertura destas faculdades está a contribuir na diversificação da formação de quadros.
Orlando da Mata disse que as novas instituições reforçaram a capacidade de formação de técnicos a nível da sexta região académica, que integra as províncias da Huíla e do Namibe.

Diversificação da  economia


A diversificação da economia, adoptada pelo Executivo para fazer face às oscilações do preço do petróleo e de tornar o país auto-suficiente nalguns produtos, implica apostar cada vez mais na formação e na investigação científica nas áreas do turismo, agricultura, pecuária, mineração e outras, disse Orlando da Mata. O reitor afirmou que, com base na estratégia de desenvolvimento, a universidade está a actuar em quatro níveis da qualificação dos recursos humanos para suportar os serviços públicos fundamentais, como saúde, educação e áreas sociais.
“É necessário estabelecer pólos de competências para suportar as vocações da região nos serviços, logística, transportes e indústria”, disse Orlando da Mata, que acrescentou que consta dos projectos a criação de ofertas que suportem as restantes vocações socioeconómicas, com realce na agricultura, pecuária e turismo.  “Toda a envolvência estratégica visa o estabelecimento de um centro de excelência nacional na área da ciência, tecnologia e inovação”, concluiu Orlando da Mata.
A Universidade Mandume Ya Ndemufayo possui  faculdades de Direito, Economia, Medicina, além do Instituto Superior Politécnico da Huíla, Escola Superior Politécnica do Namibe, Escola Superior Pedagógica do Namibe, onde são ministrados 27 cursos.
Neste ano académico estão matriculados mais de sete mil estudantes, que têm aulas asseguradas por 396 docentes, entre nacionais e expatriados. O reitor da Universidade Mandume ya Ndemufayo disse que o Plano Nacional de Geologia (Planageo) é um instrumento importante com linhas mestras credíveis para dar um contributo valioso no processo de investigação científica regional e nacional na área das Ciências da Terra.
Orlando da Mata afirmou que o Planageo vai corresponder com as metas traçadas pelo Executivo, no concernente à formação de quadros: “Pretendemos formar técnicos nas áreas académica e profissional capazes de ajudar na diversificação na economia nacional   promover o bem-estar da população.”

Tempo

Multimédia