Províncias

Escola de Formação de Professores lança quadros no sistema de ensino

Vitória Quintas | Huambo

A Escola de Formação de Professores do Ensino Médio “Ferraz Bomboco” lançou para o mercado de trabalho 368 quadros nas especialidades de Matemática, Física, História, Geografia, Biologia, Química e Língua Portuguesa, numa cerimónia que contou com a presença do director provincial da Educação do Huambo, Felisberto Mona.

A Escola de Formação de Professores do Ensino Médio “Ferraz Bomboco” lançou para o mercado de trabalho 368 quadros nas especialidades de Matemática, Física, História, Geografia, Biologia, Química e Língua Portuguesa, numa cerimónia que contou com a presença do director provincial da Educação do Huambo, Felisberto Mona.
O director provincial da Educação disse que o curso de formação de professores foi criada com o propósito de formar docentes para as escolas do ensino primário e do primeiro ciclo do ensino secundário e “por isso pesa sobre vós muita responsabilidade.”
Felisberto Mona referiu que a qualificação académica e profissional que os finalistas acabam de obter vai permitir a sua integração no mercado de emprego e a continuação da sua formação no ensino superior.
Felisberto Mona expressou a vontade da Direcção Provincial da Educação de colaborar com a direcção da escola Ferraz Bomboco no sentido de fazer o enquadramento dos finalistas, caso seja anunciado o concurso público.
O responsável da escola, Damião Salvador, disse, na ocasião, que os novos professores conquistaram a 13ª classe, como habilitação literária, e foram os primeiros a abrirem o caminho para seminários e estágios pedagógicos, que culminou com a aula de exame seguida da respectiva defesa.
“A formação dos quadros durou cinco anos, em vez de quatro. Isto deveu-se aos avanços da reforma educativa, cujo sistema na instituição entrou em vigor quando os alunos estavam a frequentar a 10ª classe”, disse.
 Katchiungo, na província do Huambo, vai dispor, no primeiro trimestre de 2010, de sete escolas novas, cujas obras estão em fase final, anunciou o inspector municipal da Educação. Com a entrada em funcionamento destas escolas, Katchiungo passa a ter mais 23 salas de aulas, mas mesmo assim, frisou Valério Hossi, vão faltar, pelo menos, 183 e 120 professores.  O município tem 155 salas e 570 professores para 37.893 alunos, da iniciação ao ensino médio.

Tempo

Multimédia