Províncias

Escola profissional na forja para empresários na Huíla

André Amaro|Lubango

Uma escola de formação profissional de empresários vai ser construída, este ano, na cidade do Lubango, no quadro de uma parceria estabelecida entre empresários da Huíla e da região portuguesa de Santarém.

Uma escola de formação profissional de empresários vai ser construída, este ano, na cidade do Lubango, no quadro de uma parceria estabelecida entre empresários da Huíla e da região portuguesa de Santarém.
O projecto envolve a Associação Agro-Pecuária Comercial Industrial da Huíla (AAPCIL) e o Núcleo Empresarial da Região de Santarém (NERS), que já criou uma instituição do género em Portugal.
O projecto foi anunciado pelo presidente da AAPCIL após um encontro entre membros do governo provincial da Huíla e das duas associações empresariais, durante o qual foram tratados de assuntos relacionados com o desenvolvimento económico da província.
António de Lemos esclareceu que, no âmbito da parceria estabelecida com a NERS, além da escola de formação profissional de empresários, vai ser criada uma área para exploração empresarial.
“ Muitos empresários enfrentam dificuldades no recrutamento de técnicos que possam gerir os seus negócios, daí a necessidade da construção de uma escola profissional, que possa ajudar a diminuir esta preocupação”, sublinhou.
A construção da escola, frisou, vai facilitar a formação de empresários locais, melhorar as formas de gestão e contribuir para o desenvolvimento económico da região.
Os desafios actuais são enormes, por isso, a classe empresarial deve estar preparada para os enfrentar, disse.

Portugueses prontos

O presidente do NERS declarou que as condições estão criadas para os empresários portugueses investirem nos diferentes ramos de actividade económica na província da Huíla. José de Carvalho referiu não existirem regiões subdesenvolvidas, apenas algumas sem projectos.
“Quando os projectos existirem, diremos que há também desenvolvimento, mas para isso é necessário que haja cooperação com outras localidades”, afirmou.
Uma das bases para haver desenvolvimento mais acelerado é a cooperação forte entre empresários e instituições governamentais, frisou.
A delegação portuguesa, composta por nove pessoas, vai permanecer na Huíla durante uma semana, identificando áreas de investimento.
O governador Isaac dos Anjos fez uma apresentação da situação da região, pedindo aos empresários portugueses que invistam em projectos que impulsionem o desenvolvimento e criem mais postos de trabalho.

Tempo

Multimédia