Províncias

Estado de degradação da Barragem das Neves retira capacidade de retenção de água

Arão Martins | Humpata

As fissuras no corpo da Barragem das Neves, no município da Humpata, província da Huíla, estão a retirar a capacidade de retenção de água, de sete milhões de metros cúbicos para menos de três milhões de metros cúbicos, disse ao Jornal de Angola o director do Gabinete de Desenvolvimento Hidroagrícola da Humpata.

Capacidade de retenção baixou de sete milhões de metros cúbicos para menos de três milhões
Fotografia: arimateia baptista | Edições Novembro

Yosso Luís disse que a degradação acentuada da barragem se deve à falta de obras de manutenção e reabilitação, pois o empreendimento foi construído há 50 anos. “Por causa das fissuras, o canal de irrigação está quase sem água, o que está a prejudicar a actividade agrícola”, disse.
A Barragem das Neves, segundo Yosso Luís, tem um canal de irrigação com 38 quilómetros, dos quais 11 são revestidos, e as fissuras estão a retirar a capacidade de rega das zonas agrícolas. "Além da irrigação, a barragem leva água à localidade de Gangelas, no município da Chibia”, informou Yosso Luís, que defende o desassoreamento da albufeira da barragem, que tem capacidade para armazenar seis milhões e 400 metros cúbicos de água.
Ainda de acordo com Yosso Luís, devido à deposição de sedimentos, nesta altura estão armazenados na albufeira apenas três milhões de metros cúbicos.
“Portanto, precisamos de efectuar a reparação total do corpo da barragem, por ter muitas fissuras e estar a dar lugar ao vazamento de água”, afirmou Yosso Luís, que acrescentou que já foi efectuado um estudo de viabilidade para a reabilitação da Barragem das Neves.
Explicou que os habitantes da Humpata dependem da água proveniente da barragem, quer para a agricultura, quer para o consumo doméstico. “Desde 2012 que temos alertado para se fazer obras na barragem. Especialistas brasileiros, chineses e portugueses fizeram diagnósticos sobre o estado da barragem, precisamos apenas de arrancar com as obras. Trata-se de um empreendimento construído há mais de 50 anos e já está no limite da sua vida útil”, disse.
Informou que em 2013 o município da Humpata passou por uma crise de falta de água, porque a barragem estava seca. “ Neste momento estamos a viver praticamente a mesma situação. Temos a sorte do material usado na construção da barragem estar a resistir às vibrações do terreno, porque se não tivesse equipamentos resistentes já teria desabado”, disse, acrescentando que “a jusante da barragem houve um processo erosivo em 2011, marcado por vazamento de água”.
Capacidade produtiva
O município da Humpata produz anualmente cerca de 500 mil toneladas de produtos agrícolas, com destaque para hortícolas, milho, massango, massambala, feijão comum e frade. A circunscrição controla três unidades de investigação científica, concretamente a Estação Experimental, Estação Zootécnica e o Instituto de Investigação Agronómica (IVA).
O município conta com 24 associações de camponeses, uma cooperativa de agricultores e 977 produtores agrícolas. Tem ainda 249 fazendas de produção agrícola e pecuária.A insuficiência de imputes agrícolas, o estado de degradação das vias de acesso, a falta de tractores com alfaias e de meios de transporte para o escoamentos dos produtos constituem as principais dificuldades do sector agrícola na região.

Tempo

Multimédia