Províncias

Estiagem arrasa culturas das populações do interior

Cláudia Muhatili | Menongue

As populações dos municípios do Calai, Cuangar, Dirico, Nankova, Rivungo e Mavinga, província do Kuando-Kubango, na orla fronteiriça com a Namíbia, que enfrentam uma severa estiagem que já provocou a morte de centenas de cabeças de gado bovino e caprino

Vão receber proximamente apoio alimentar do governo, disse segunda-feira ao Jornal de Angola o vice-governador Ernesto Kiteculo.
Ernesto Kiteculo explicou que foi criada uma comissão multissectorial integrada por responsáveis provinciais dos Ministérios da Agricultura e Desenvolvimento Rural e da Assistência e Reinserção Social para fazer, no terreno, uma avaliação pormenorizada da situação.
O vice-governador sublinhou que a seca começou na orla fronteiriça, mas está agora a alastrar-se para todos os municípios do interior, onde se regista escassez de chuvas desde Dezembro do ano passado. Segundo o vice–governador, em determinadas localidades foram feitos furos de água, que se tornaram-se inviáveis devido à prolongada seca.
O quadro de penúria alimentar devido à estiagem é agravado pelos constantes ataques de manadas de elefantes contra as poucas culturas que sobreviveram à falta de água.
O vice-governador do Kuando-Kubango sublinhou que o Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural de Combate à Fome e à Pobreza conhece uma execução na ordem de 80 por cento, apesar de alguns constrangimentos resultantes do avançado estado de degradação das vias de acesso. 
Este programa, que tem como objectivo melhorar as condições de vida das populações, sobretudo aquelas que vivem nas áreas mais recônditas, é hoje uma referência no país, referiu Ernesto Kiteculo, sublinhando que a merenda escolar, o reforço da autoridade institucional e o reassentamento das populações são os principais marcos.  Os administradores municipais foram aconselhados a uma maior atenção na execução dos orçamentos, contratação das empresas, fiscalização e cumprimento dos prazos das obras.
“Observamos, por exemplo, que o programa de construção de 200 fogos habitacionais não foi concluído pela maioria das empresas que ganharam esta empreitada em todos os municípios”, referiu, a­diantando que o governo vai fazer uma injecção de verbas para acelerar a sua execução. 
O vice-governador alertou os administradores municipais para a necessidade de observância rigorosa na utilização dos recursos financeiros em benefício das populações, sob pena, sublinhou, de medidas disciplinares e judiciais.

Formação de quadros


Ernesto Kiteculo anunciou ainda que o governo provincial contratou uma empresa de dimensão internacional para a formação de quadros administrativos para que estejam a altura dos actuais desafios. “É uma medida crucial e  urgente para a província, pois temos tidos problemas sérios na tramitação da documentação, do contacto e actuação do próprio agente público o que dificulta, em grande medida, o balanço da execução de qualquer programa”, frisou.
O vice-governador destacou, por outro lado, acontínua e frutífera colaboração com o Instituto de Formação da Administração Local (IFAL) na formação intensiva dos quadros e a criação de condições para a acomodação de quadros provenientes de outras regiões do país.

Tempo

Multimédia