Províncias

Estradas secundárias e terciárias são reabilitadas

André Brandão| Ndalatando

Um total de 150 quilómetros de estradas secundárias e terciárias das comunas e sectores de Tango, Maua, Longa, Bindo e Kanguimbe, que ligam a vila de Camabatela, sede municipal de Ambaca, na província do Cuanza Norte, começaram, na semana finda, a ser reabilitados, no âmbito dos projectos do Governo local que visam a melhoria da circulação de pessoas e bens em todo o território da província.

Homens e máquinas no terreno trabalham intensamente para conclusão das obras de reabilitação das vias que vão facilitar as trocas comerciais
Fotografia: António Soares| Edições Novembro

As obras, a cargo da empresa de construção civil  Crisgunza, arrancaram no passado dia 20, com a reabilitação de 25 quilómetros na via Camabatela-Kanguimbe, disse a presidente do conselho executivo da empreiteira, Delvania Marceneiro.
A empreitada, acrescentou, contempla igualmente a reabilitação de 35 quilómetros que ligam a sede municipal de Ambaca à comuna do Tango, os 22 quilómetros até a comuna do Maua, os 35 que dão acesso à comuna do Bindo e os 33 quilómetros até ao sector do Longa.
A presidente do conselho executivo da empresa construtora disse que, no âmbito das suas obrigações como parceiro do Estado, a empresa está disponível para ajudar e fazer parcerias nos projectos do Governo, em programas que visam a melhoria das condições de vida das populações.
A  primeira fase da reabilitação da estrada Camabatela/Kanguimbe baseia-se no nivelamento e terraplanagem, limpeza das bermas e abertura de passagens hidráulicas, seguindo-se a sua compactação, disse Delvania Marceneiro, que acrescentou que a reabilitação das estradas vai dar maior fluidez ao escoamento dos produtos do campo para a vila e é um factor que vai impulsionar o surgimento de mais investidores a nível das  regiões. A conclusão das obras de reabilitação destas vias, acrescentou Delvania Marceneiro, vai permitir aumentar substancialmente as trocas comerciais, não só entre a sede municipal de Ambaca e as comunas, como também com o vizinho município de Negage, na província do Uíge.
Para Delvania Marceneiro, a reabilitação destas vias, além de elevar o nível das trocas comerciais, vai igualmente proporcionar maior segurança na circulação de pessoas e bens, visto que o mau estado das estradas era apontado como causa principal de acidentes. Por sua vez, o director provincial das Obras Públicas no Cuanza Norte, André de Andrade,  avançou que este processo vai ser extensivo aos demais municípios, pois é preocupação do Governo local e central melhorar a malha rodoviária da província.

A população agradece


Alguns cidadãos entrevistados pelo Jornal de Angola foram unânimes em dizer que a reabilitação das vias que ligam as comunas e os sectores do Tango, Maua, Kanguimbo, Bindo e Longa é um estímulo para os agricultores, que antes viam grande parte da produção a deteriorar-se no campo, por dificuldades de escoamento.
Pedro Muhungo, de 63 anos, a viver em Camabatela desde 1980, referiu que a reabilitação da via constitui uma demonstração da aposta do Governo em reforçar a aproximação entre as várias localidades e promover o intercâmbio entre o campo e a cidade.
Já o vendedor António Inácio destacou a importância do intercâmbio comercial entre estas localidades, por serem as maiores produtoras de bens do campo, referindo que o passo a seguir deve  abarcar a construção de infra-estruturas onde os comerciantes possam expor os seus produtos. A vila de Camabatela, sede do município de Ambaca, acolhe todas às sextas-feiras uma feira de intercâmbio entre comerciantes de várias comunas e sectores, bem como do município de Negage, no Uíge.

Tempo

Multimédia