Províncias

Falta de recursos humanos compromete acções de vulto

Carlos Paulino | Menongue

A escassez de recursos humanos para o cumprimento e execução cabal das tarefas, aliada à falta de instalações das instituições públicas e de meios de transportes têm comprometido as acções de vulto na província do Cuando Cubango, disse ontem, na cidade de Menongue, o vice-governador provincial para o sector Político e Social.

 Pedro Camelo falava à saída de um encontro de auscultação com o governador provincial, Pedro Mutinde, e apontou  a quebra dos níveis de assistência às pessoas vulneráveis, a falta de arranque dos principais projectos de alargamento da rede dos equipamentos sociais e a anulação do concurso do regime especial, desde 2012, como as causas que afectam os sectores social e político.  
Apesar das dificuldades,  Pedro Camelo reconheceu os progressos nos sectores da Educação, Ensino Superior e Saúde nestes 14 anos de paz efectiva, com o aumento de  salas de aula, hospitais, postos médicos e centro sanitários. 
“Temos hoje uma rede escolar que compreende um universo de 272 instituições de ensino, com 1.311 salas de aulas, o que permitiu absorver, neste ano lectivo, 189.146 alunos. As aulas são assegurados por 3.700 professores”, disse.
Em relação ao ensino superior, Pedro Camelo disse que houve um aumento de estudantes na Universidade Cuito Cuanavale, relativamente aos anos anteriores, e referiu que além da expansão do ensino é necessário que se dê atenção à qualidade para o país ter quadros capazes.  O vice-governador provincial  disse que, quanto ao sector da Saúde, houve um alargamento da rede sanitária e, com isso,  o Cuando Cubango passou a contar com cinco hospitais provinciais, quatro municipal, centros médicos e postos de saúde, que são assegurados por 33 médicos e 923 enfermeiros.
Pedro Camelo salientou que, apesar dos ganhos alcançados, o sector político e social na província, com realce para a Assistência e Reinserção Social, Família e Promoção da Mulher, dos Registos, Instituto Nacional da Criança, INADEC, Habitação e os órgãos da Comunicação Social funcionam em instalações arrendadas e em más condições.
Por este facto, os participantes a reunião defenderam a necessidade de o Governo da província, em conjunto com os esforços do Executivo,  encontrar mecanismos que visam dar soluções às principais dificuldades que assolam os sectores social e político.
Os participantes recomendaram  ao Governo da província que procure formas para reabilitar as instalações públicas e encontre mecanismos para aa construção de infra-estruturas para acomodar as diferentes instituições.
 Os participantes na reunião de auscultação solicitaram a implementação de medidas para  aumentar a oferta, reinserção e assistência às pessoas carentes, nomeadamente crianças, idosos, antigos combatentes e ex-militares.

Tempo

Multimédia